Londres anuncia medidas para evitar arquibancadas vazias em 2012

O comitê organizador dos Jogos Olímpicos Londres 2012 decidiu oferecer um contingente de entradas a preços acessíveis para evitar que haja assentos vazios nos locais de competições, como ocorreu em Pequim em 2008.

EFE,

23 de março de 2010 | 11h52

Além de oferecer entradas a 20 libras (22 euros), os responsáveis dos Jogos prometeram lutar contra cambistas e tomar outras medidas como a devolução do preço das entradas.

O comitê anunciou, além disso, que vai colocar à venda 800 mil ingressos adicionais, completando um total 10 milhões de bilhetes para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos.

O plano prevê ainda que os interessados se inscrevam pela internet para informarem seu interesse, fazendo com que o comitê tenha uma ideia da demanda.

Embora o site só vá comercializar os bilhetes no Reino Unido, haverá acesso à página de qualquer lugar do mundo, o que despertou a preocupação entre os britânicos perante a possibilidade de que seus vizinhos europeus comprem a maioria das entradas.

O diretor do comitê organizador, Paul Deighton, esclareceu que a maior parte dos visitantes estrangeiros poderia adquirir as entradas através das organizações esportivas de seus respectivos países.

"Todos nossos esforços de marketing se concentram exclusivamente no Reino Unido e acreditamos que a maioria das entradas do sorteio não vai sair do país", insistiu Deighton.

Embora o comitê tenha prometido entradas a 20 libras, as primeiras estimativas apontam que o preço médio se situará em torno

de 44 libras (50 euros), preço que, segundo previsões, crescerá consideravelmente nas competições finais.

Dos 10 milhões de entradas, 75% estarão disponíveis para venda ao público, 13% serão distribuídas entre os comitês olímpicos nacionais, 8% entre os patrocinadores e 4% restante entre operadoras de turismo que organizam viagens aos Jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.