ADRIAN DENNIS / AFP
ADRIAN DENNIS / AFP

Londres tem terceiro caso de doping em dois dias

A velocista Tameka Williams e a ginasta Luiza Galiulina estão fora dos Jogos

KAROLOS GROHMANN, Reuters

29 de julho de 2012 | 17h13

Dois atletas viram suas esperanças olímpicas desaparecerem neste domingo, depois de serem suspensos dos Jogos de Londres por uso de drogas que melhoram o desempenho. Agora são três os casos de doping em dois dias de competições.

Com o Comitê Olímpico Internacional (COI) ansioso para extirpar o doping dos Jogos, os examinadores estão em ação, conduzindo testes aleatórios há meses para evitar que os Jogos sejam manchados por grandes casos de doping.

A velocista Tameka Williams, de São Cristóvão e Nevis, é o caso mais recente após admitir o uso de uma substância proibida à comissão técnica de sua equipe e ser mandada de volta para casa antes mesmo de competir.

O Sknoc, comitê olímpico de seu país, disse que a atleta de 22 anos, escalada para correr os 100m e os 200m rasos em sua primeira Olimpíada, ofereceu a informação voluntariamente, o que pode lhe garantir uma sentença mais curta e até sair sem punição, dependendo das circunstâncias.

"Em discussão com a comissão técnica da equipe, a senhorita Williams prestou a informação de que tem usado uma substância que o Sknoc considera fora do código médico internacionalmente aceito", afirmou.

O Sknoc, que informou todos os organismos relevantes e iniciou uma investigação, não forneceu detalhes sobre a substância que Williams admitiu usar ou as circunstâncias em que a utilizou.

Mais cedo no domingo, Luiza Galiulina, única ginasta uzbeque nos Jogos, foi suspensa temporariamente depois que sua primeira amostra deu positivo para a droga furosemida, muito usada como agente mascarador de outras substâncias proibidas.

Galiulina, de 20 anos, que competiria no exercício de solo ainda neste domingo, agora terá que esperar o teste de uma segunda amostra. Caso ela resulte positiva, ela será proibida de competir em Londres e pode encarar um afastamento máximo de dois anos.

Ao longo dos Jogos 2012, o COI disse esperar conduzir cerca de 5.000 testes - 3.800 de urina e 1.200 de sangue.

Uma iniciativa de agências antidoping de todo o mundo flagrou mais de 100 infratores antes da Olimpíada, e o COI quer evitar os grandes escândalos de doping que marcaram edições anteriores do evento multibilionário e eclipsaram as competições.

O primeiro flagra aconteceu no sábado, horas depois da cerimônia de abertura, quando o levantador de peso albanês Hysen Pulaku, de 19 anos, foi eliminado por usar um esteróide anabolizante.

Tudo o que sabemos sobre:
OLIMPDOPINGTERCEIRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.