Longe do recorde, seleção de futsal derrota Portugal em retorno de Falcão

Longe de bater o recorde de público, a seleção brasileira de futsal derrotou a forte equipe de Portugal por 2 a 1, nesta terça-feira, na quadra montada sobre o gramado da Arena Castelão, em Fortaleza. O amistoso marcou os retornos de Falcão e do técnico Sérgio Schiochet ao time nacional.

Estadão Conteúdo

22 de setembro de 2015 | 23h33

A partida também teve como objetivo superar o recorde de público em uma partida de futsal. Mas a marca de 56.483 torcedores, obtida no amistoso entre Brasil e Argentina, em 2014, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, esteve longe de ser alcançada. Apenas 11 mil torcedores compareceram ao Castelão.

Sem público suficiente para tornar o amistoso histórico, Brasil e Portugal acabaram se destacando por colocar frente a frente o melhor jogador da atualidade, o ala Ricardinho, e aquele que é considerado por muitos como o melhor da história. Os dois, contudo, passaram em branco nesta noite.

Voltando de lesão, Falcão teve boas chances, incluindo um tiro livre nos instantes finais, mas desperdiçou todas. Já Ricardinho deixou a quadra com uma assistência, por ter cobrado o escanteio que originou o gol de Cardinal, aos 13 minutos do segundo tempo. O Brasil já vencia por 2 a 0 a esta altura.

Os gols brasileiros saíram no primeiro tempo. O ala Xuxa abriu o placar ao bater colocado, após cobrança de escanteio. Depois, o goleiro Tiago anotou o segundo em forte chute de fora da área. Os dois jogadores defendem atualmente o Brasil Kirin/Sorocaba.

Sem balançar as redes, Falcão comemorou ao menos o bom retorno, mesmo fora de forma. "Não deu [para marcar]. Mas eu já agradeço de ter voltado a jogar. Estou longe da forma ideal, porque a lesão foi grave, mas queria estar participando dessa partida, da forma que fosse. Já fico feliz de estar voltando, terminando esse ano bem", disse o jogador, em entrevista ao Sportv.

Falcão voltou à seleção após se afastar no início do ano, em razão de discordâncias com a gestão da Confederação Brasileira de Futsal. O racha, liderado pelo jogador, aconteceu em março, durante as eleições. Sem emplacar seu candidato, o grupo de jogadores se afastou os dirigentes eleitos, por considerar que eles tinham ligação com a gestão anterior, investigada pela Polícia Civil do Ceará por formação de quadrilha, estelionato, lavagem de dinheiro e crime contra a ordem tributária.

O atrito foi superado em julho, em reunião dos jogadores com a atual gestão. O encontro possibilitou a volta de Falcão e o retorno do técnico Sérgio Schiochet, que não chegou a ter tempo de preparar a equipe nas últimas semanas, antes do amistoso desta terça-feira. Mesmo sem treinos, a seleção venceu uma das maiores equipes do mundo, já visando o Mundial de 2016.

Tudo o que sabemos sobre:
futsalBrasilPortugalamistosoCastelão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.