Daniel Teixeira/AE - 9/9/2011
Daniel Teixeira/AE - 9/9/2011

Luan: 'Eu fazia gol, corria e ainda era vaiado'

Jogador do Palmeiras desabafa e espera que em 2012 tenha maior apoio da torcida

Entrevista com

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2011 | 03h01

SÃO PAULO - O atacante Luan chega ao final de 2011 aliviado. Após enfrentar muita pressão e desprezo de boa parte da torcida, ele termina a temporada como artilheiro da equipe com 13 gols, sendo nove no Brasileiro, números que lhe fizeram também ser o artilheiro do time no Nacional. Em entrevista ao Estado, o atacante desabafou e admitiu que chegou a se irritar com a torcida ao longo da temporada.

O que achou do seu desempenho em 2011?

Para mim foi legal. Foi maravilhoso pela forma que vim crescendo no ano e por ter acabado como artilheiro do Palmeiras.

E a sua relação com a torcida. Acabou sendo mais difícil do que o esperado?

Foi sim. Todo mundo viu o que aconteceu. Tinha jogo que eu não entendia o que os torcedores queriam. Eu fazia gol, corria e mesmo assim saia de campo sendo xingado. A gente tenta não escutar, mas é difícil.

Não teve uma hora que você pensou em reclamar?

Várias vezes eu fiquei um pouco irritado. Acabava o jogo e eu pensava: 'Nada está bom para eles'. Além de marcar gol, correr, marcar, o que mais poderia fazer? Mas logo essa raiva passava. Futebol é difícil mesmo, ainda mais no Palmeiras, onde a pressão é muito grande, mas tenho que saber lidar com isso.

Em algum momento teve medo de uma reação mais violenta da torcida?

Não. Meu pai sempre me falou que eu teria dificuldades na vida, mas não poderia temer nada, por mais que fosse dolorido viver tudo isso. Respeito a torcida do Palmeiras, que está chateada por não termos feito um bom campeonato. Fiquei triste, mas sem medo. Tanto que mesmo nos piores momentos eu continuei a andar normalmente nos lugares que sempre andei.

Qual a importância do Felipão em seu desempenho?

Tudo que consegui eu agradeço ao Felipão. Ele suportou muita pressão e continuou acreditando em mim, mesmo com muita gente pedindo para eu sair do time. Ele não desistiu em momento algum de mim, por isso tentei não decepcioná-lo.

Acha que as brigas nos bastidores atrapalharam o time?

Tentamos nos manter distante de tudo isso, mas é claro que a polêmica atrapalhava o foco. Mas não acredito que isso tenha sido o problema. Tivemos um pouco de azar no ano. Não somos inferiores que os outros, tanto que vários times grandes tiveram dificuldades até maiores do que a nossa.

Por ter sido o artilheiro da equipe, acha que a torcida terá outra atitude com você em 2012?

Não sei se terei apoio, mas vou continuar trabalhando bastante. Acho que sou injustiçado, às vezes. Entendo o torcedor gostar mais de um ou outro, mas me dedico bastante. Não sou qualquer um. Ano que vem vou trabalhar bastante. Se conseguir agradar a torcida, ficarei muito feliz. Se não, paciência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.