Lucas busca sua 1ª vitória no clássico

Em um clássico contra o Corinthians, no Estádio do Pacaembu, o elenco recheado de jogadores renomados e apostas caras da diretoria, o São Paulo tenta colocar fim à irregularidade de uma campanha abaixo das próprias expectativas no Brasileiro e dar firmeza ao trabalho de um técnico que ainda procura encontrar a melhor maneira de fazer o time jogar e provar que é capaz de dirigi-lo por muito tempo.

PAULO GALDIERI, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2012 | 03h04

Sem sucesso, a derrota por 3 a 0 para o grande rival complica as coisas. Como saldo, apenas o que aparentemente parece ser o nascimento para o futebol de um garoto com incrível potencial e habilidade.

Dois anos depois, o São Paulo mais uma vez se vê diante do Corinthians, no mesmo Pacaembu, e em condições muito parecidas com aquela do encontro de agosto de 2010. A diferença é que, em vez de um garoto que se fez notar como ponto positivo no meio de uma derrota para um arquirrival, o Tricolor agora conta com um jogador que, ao ser vendido por mais de R$ 100 milhões e se tornar a maior transação da história do futebol brasileiro, já evoluiu e não é mais o mesmo.

Marcelinho, o contido e assustado com o assédio de repórteres, mas habilidoso, corajoso e abusado com a bola nos pés, se tornou Lucas, maduro e consciente do que agora representa - mas que continua habilidoso, corajoso e abusado com a bola.

É no camisa 7 que o São Paulo deposita a confiança de que aquela história, do time sem "pegada" e irregular, mesmo cheio de atletas caros, não vai se repetir.

Lucas, que já fez boas partidas e conheceu como é vencer Santos e Palmeiras, ainda busca seu primeiro triunfo diante do Corinthians. Na vitória do time no ano passado, pelo Paulistão, ele estava suspenso.

Esta será a terceira partida do atacante desde que voltou da seleção, já como o mais caro jogador do País. Mas, como ele mesmo sabe, será a mais importante. "Em clássicos é sempre um gostinho diferente. O espírito é outro e a vontade é outra. A gente quer vencer por se tratar de um rival e por todo o histórico recente desse clássico. A preparação é muito maior, a concentração é maior para chegar no dia da partida e fazer um grande jogo", disse Lucas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.