Luís Fabiano de bem com a torcida

Saiu ovacionado após ser o principal nome da equipe na goleada sobre o Flamengo e participar diretamente de três dos quatro gols

O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h05

Luis Fabiano não sabia que tipo de recepção teria no Morumbi depois de mais uma vez bater de frente com parte dos torcedores. Mas assim que o locutor anunciou seu nome antes da partida, deu para perceber que teria o apoio irrestrito da grande maioria dos são-paulinos presentes. Ao lado de Rogério Ceni, ele foi o mais comemorado e ouviu um forte coro de apoio tão logo pisou no gramado.

Dentro de campo, o espírito combativo e brigador de sempre deu certo. Ele saiu ovacionado após ser o principal nome da equipe na goleada sobre o Flamengo, participar diretamente de três dos quatro gols e ainda ter criado ao menos outras duas excelentes chances. De quebra, chegou a 145 tentos com a camisa do clube (em 197 jogos), ultrapassou ninguém menos que Leônidas da Silva e é o sétimo maior artilheiro da história.

Aparentemente em paz até com a torcida organizada, que mais cobra seu desempenho, e depois de ofuscar um pouco o retorno de Rogério Ceni, ele comemorou o resultado e deu o recado: sabe que a maioria dos são-paulinos está ao seu lado. "Independentemente do ocorrido contra o Vasco, a grande maioria confia em mim. Não entro chateado em campo, entro pra fazer o meu melhor. Estive concentrado e procurei dar o melhor", afirmou.

A expectativa dos dirigentes também é que seu maior artilheiro se acalme e coloque fim definitivamente a qualquer desejo de ir embora. O presidente Juvenal Juvêncio confidenciou a pessoas próximas que acredita que o jogador quer ser negociado.

'Perdido'. Visivelmente sem ritmo de jogo, Rogério Ceni comemorou seu retorno após seis meses machucado, mas admitiu que precisa melhorar. "Fiquei um pouco perdido, são sete meses sem jogar. A semana foi muito cansativa", explicou. /F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.