Robert Ghement/EFE
Robert Ghement/EFE

Luiz Gustavo assume papel de coadjuvante na seleção

Reserva do Bayern de Munique, volante chegou como um desconhecido para a maioria da torcida

ROBSON MORELLI, Agência Estado

17 de junho de 2013 | 14h08

FORTALEZA - Reserva do Bayern de Munique e um desconhecido para a maioria da torcida brasileira até antes da convocação para a Copa das Confederações, Luiz Gustavo surpreendeu ao começar a competição como titular. Nesta segunda, ele concedeu entrevista coletiva e admitiu que é um coadjuvante na equipe, apesar de ter um importante papel tático no esquema de Felipão.

"Eu estou disposto a ajudar. Tenho bastante vontade, bastante desejo de no final disso tudo todo mundo estar comemorando e estar feliz. Esse é meu principal objetivo. Se para isso eu tiver que ficar roubando bola o jogo todo, correndo o tempo todo, vou fazer isso com o maior prazer", disse Luiz Gustavo.

O jogador do Bayern não quer assumir papel de protagonista. "Eu estou muito feliz que eu estou podendo ajudar, isso é o principal. Para mim não é sacrifício nenhum (ficar só marcando). É um prazer fazer com que meus companheiros que têm mais característica ofensiva possam fazer o jogo melhor para que a gente saia com a vitória. No final todos ganham e isso é o mais importante", observou.

O papel do volante, porém, é fundamental, uma vez que cabe a ele grande parte da responsabilidade quanto à "recomposição" tanto cobrada por Felipão. Exemplo disso veio logo depois de Luiz Gustavo falar com a imprensa. Marcelo assumiu o microfone da coletiva e quando perguntado sobre suas subidas, apontou para o colega que seguia sentado na bancada.

"Minha proteção está aqui. A gente conversa com ele (Luiz Gustavo) bastante, ele me dá um conforto quando fala que posso subir, que vai estar ali para me ajudar. Todo mundo ajudando todo mundo, assim só temos a ganhar", comentou Marcelo.

Luiz Gustavo também elogiou a união do grupo em prol do objetivo comum de ser campeão: "O time, desde o ataque até a defesa, todo mundo está procurando em se doar, se ajudar ao máximo. Isso está nos ajudando, tornando as coisas mais fáceis pra todos. Quando um não consegue outro vem, ajuda. Isso nos ajuda a ficar com a bola nos pés, o que tem ajudado o trabalho de todos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.