Pawel Kopczynski/Reuters
Pawel Kopczynski/Reuters

Lula exalta vitória do povo brasileiro com a escolha do Rio 2016

Presidente disse que realização dos Jogos Olímpicos na América do Sul representa uma 'quebra de preconceito'

Redação,

02 de outubro de 2009 | 14h27

Ainda emocionado pela escolha do Rio como sede dos Jogos Olímpicos de 2016, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se apressou em dizer que a vitória desta sexta-feira, em Copenhague, na Dinamarca, foi uma conquista dos mais de 190 milhões de brasileiros. Ele também destacou o trabalho e compromisso de todos os envolvidos na candidatura da cidade carioca.

Veja também:

linkRio é escolhido como cidade-sede da Olimpíada de 2016

linkLula minimiza disputa com Obama pelos Jogos 

linkConfira a lista com todas as sedes

linkCopa do Mundo e Olimpíada num intervalo de dois anos

linkBrasil consegue vitória após três tentativas frustradas

linkRio promete usar Olimpíada para melhorar a cidade

blog BATE-PRONTO - Sucesso à vista com o Rio 2016?

especialRIO 2016 - Mais sobre a campanha pelos Jogos

especialESPECIAL - Tudo sobre as cidades candidatas

 

"Essa não é uma vitória individual. É uma vitória de 190 milhões de alma, é uma vitória de toda a América Latina, é uma vitória da Olimpíada", disse Lula, que revelou que confiava na confirmação do Rio desde o início da votação no Comitê Olímpico Internacional (COI). "Parece que Chicago e Tóquio vieram para cumprir tabela. O Brasil era o único que queria realmente organizar uma Olimpíada. Essa foi a diferença", completou.

 

Para Lula, a vitória do Rio foi a confirmação que faltava para o País ser reconhecido definitivamente entre as maiores economias do mundo. Durante todo a campanha, ele reforçou que o Brasil era o único entre os 10 mais ricos do mundo que ainda não tinha organizado uma Olimpíada.

 

"O Brasil conquistou hoje a sua cidadania internacional, quebramos a última barreira do preconceito", disse entre lágrimas. "Era muito difícil pensar que um país do terceiro mundo poderia realizar uma Olimpíada."

 

Consciente dos problemas e do trabalho que ainda está por vir, o presidente apontou para o ganho de autoestima que os brasileiros terão com a realização dos Jogos. Ele fez questão de afastar a ideia de que a confirmação seria uma forma de resposta aos críticos.

 

"As pessoas diziam que não se pode ter os Jogos porque tem criança pobre, porque tem favela. Nós temos que arrumar tudo isso, sem dúvida. Sabemos que ainda temos muito trabalho pela frente", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.