Lusa: goleada para dar moral

Com a vitória por 4 a 1, equipe se mantém no G4 e agora vai à decisão contra o Santos

Marcon Beraldo, O Estadao de S.Paulo

30 de março de 2009 | 00h00

A Portuguesa não deixou escapar a oportunidade: goleou o Marília por 4 a 1, ontem à tarde no Canindé, garantindo a quarta colocação no Campeonato Paulista, agora com 34 pontos. O expressivo resultado encheu de moral a Lusa, que terá um confronto decisivo contra o Santos, outro candidato a uma vaga, com 31, na próxima quinta-feira, na Vila Belmiro.A Lusa tomou a iniciativa e deu a impressão de que aplicaria uma goleada histórica no Marília, um dos desesperados na luta contra o rebaixamento. Na primeira jogada, 1 a 0: cruzamento de Edno e cabeçada certeira de Fellype Gabriel. O segundo gol poderia ter saído aos 10 minutos, em finalização de Athirson, mas Ataliba salvou em cima da risca.A pressão da Lusa era total quando o Marília empatou, aos 17: Ataliba, que deve ter se empolgado ao salvar o segundo gol da Lusa, foi à área em um escanteio e, sozinho, subiu para cabecear para a rede.A Lusa sentiu o gol e o Marília quase virou o jogo na bola aérea. A Portuguesa finalmente espantou o torpor que se seguiu ao gol de empate e chegou ao seu segundo gol aos 42 minutos, em uma bela jogada pela esquerda; Erick acertou o travessão e Fellype Gabriel chegou primeiro no rebote e cabeceou a bola para a rede. A jogada se repetiu dois minutos depois mas Erick se precipitou e chutou fora.No intervalo, Fellype Gabriel pregava: "Não podemos deixar cair o ritmo. O time sentiu depois do empate, mas felizmente soube reagir."Na volta do vestiário, o atacante Edno explicava o que a Lusa deveria fazer para liquidar o jogo. "Tem de manter a mesma pegada, mas com mais atenção nas bolas paradas. Também ficar mais tempo com a bola e fazer outro gol logo. Foi o que nos disse o (técnico) Bonamigo", declarou o jogador.Os outros jogadores da Lusa também anotaram o pedido e tentaram cumpri-lo. Mas só depois de Abuda acertar a trave e Fábio fazer boa defesa em falta cobrada por Robert.E o terceiro gol da Lusa, aos 24 minutos, surgiu de um lance polêmico: o juiz viu empurrão de Ataliba (que recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso)em Edno na área: o próprio Edno cobrou o pênalti e marcou.A partir daí, com um jogador a mais, só deu Lusa, que poderia ter ampliado, não fosse marcado um impedimento inexistente de Athirson. Mas o quarto gol acabou saindo depois de um passe perfeito de Athirson para Christian: ele tocou no canto esquerdo do goleiro, aos 41 minutos. No outro jogo de ontem, em Campinas, Ponte Preta e Guaratinguetá empataram por 2 a 2.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.