José Luis da Conceição/AE - 30/04/2010
José Luis da Conceição/AE - 30/04/2010

Machucada, Maria Zeferina está quase fora da corrida de São Silvestre

'Ainda estou com dor, fazendo fisioterapia e gelo, mas, hoje, diria que estou 100% fora da corrida'

BRÁS HENRIQUE, Agência Estado

28 de dezembro de 2010 | 21h03

RIBEIRÃO PRETO - Vencedora da São Silvestre em 2001 e sempre cotada como uma das brasileiras favoritas para chegar ao pódio da prova, Maria Zeferina Baldaia está quase fora da disputa deste ano. Uma lesão no joelho esquerdo, sofrida há cerca de um mês, em queda durante treino num canavial de Sertãozinho, na região de Ribeirão Preto (SP), não deverá estar curada até a próxima sexta-feira, dia da prova.

Veja também:

linkQuenianos chegam sem alarde para a São Silvestre

"Ainda estou com dor, fazendo fisioterapia e gelo, mas, hoje, diria que estou 100% fora da corrida", disse a ex-cortadora de cana. A confirmação sairá nesta quarta, em consulta ao seu médico. "Para entrar à meia-boca na prova, melhor não ir", avisou ela. Em 2011, Zeferina pretende lutar por uma das vagas brasileiras da maratona para os Jogos Pan-Americanos, em Guadalajara, no México. Por isso, forçar agora significaria mais tempo de recuperação da lesão. "Fiquei agoniada, estou triste, gostaria de estar lá, mas... estou de molho", lamentou.

Zeferina se projetou após a vitória de 2001 e ainda subiu ao pódio na terceira e na quarta colocações na São Silvestre. A corredora diz que, após a radiografia, intensa fisioterapia e tomar antiinflamatórios, precisaria aumentar o ritmo de treinos para os 15 km da prova paulistana. Mas a dor não diminuiu. No último dia 19 ela participou da regional Corrida 10 km São Martinho, entre usinas, em Pradópolis. Foi um teste e venceu. Apesar disso, o tempo de 40min16 foi além do que ela pode: sem dor, ela faria o percurso entre 35 e 36 minutos. "Senti muita dor, não vou mentir, e só terminei a prova porque estava lá", admitiu Zeferina.

Para representar Sertãozinho, a região e o País, a corredora comentou que precisaria estar com 100% de suas condições físicas. Para correr 8 ou 10 km e parar, ela prefere ficar de fora. Isso evitaria ainda que a lesão piorasse. Zeferina já planeja correr, em abril, em Amsterdã ou Roterdã, na Holanda, para buscar índice da maratona para os Jogos Pan-Americanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.