Machucado, Jadel luta para saltar em Belém

Triplista não foi ao GP do Rio por causa de lesão, mas espera disputar o GP do Pará. Lá, poderá enfrentar o campeão olímpico Nelson Évora

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

19 de maio de 2009 | 00h00

Jadel Gregório está decepcionado. Uma contratura na parte posterior da coxa direita tirou o triplista do Grande Prêmio do Rio, no domingo, e também pode fazer com que ele desista do GP Brasil, que será disputado em Belém, no fim de semana. "Estou muito chateado. Competir no Brasil é sempre uma festa e ver os cubanos ganhando tudo... Fiquei mal", disse o atleta ao Estado, ontem. Ausente, Jadel acompanhou de casa a vitória de David Girat, com 17,39 m. Também de Cuba, Yoandris Betanzos foi o 2º (17,19 m).Jadel chegou ao Brasil no fim de semana - ele vive na Inglaterra. Esperou até o último minuto para saber se tinha condição de competir no Rio, mas acabou confirmando sua ausência na noite de sábado.Afirmou ter sofrido a lesão no fim das duas semanas de treinamento que realizou com seu técnico, o britânico Peter Stanley, em Portugal. Mesmo com dores, chegou a competir no GP de Doha, no Catar, há 12 dias. Foi sua estreia na temporada ao ar livre, mas Jadel não conseguiu um bom resultado. Validou apenas um dos quatro saltos e conseguiu a marca de 15,33 m. Foi o último dos sete atletas.A prioridade, agora, é tentar participar do mais importante torneio internacional realizado no País. "Estou tratando, e a dor diminuiu muito. Mas fiquei duas semanas sem treinar, tomando remédios. Provavelmente, se conseguir competir, não vou para a minha melhor marca. Será para entrar em ritmo de competição."A confirmação virá na quinta-feira, quando será reavaliado por um ortopedista, depois de ter realizado alguns testes na pista do Clube Pinheiros. "Se tiver condições de correr, automaticamente poderei saltar". REVANCHE NO PARÁA vontade de Jadel competir em Belém é compreensível. Foi na pista do Mangueirão, em 2007, que o atleta de 28 anos superou o recorde sul-americano do salto triplo. Com 17,90 m, foi um centímetro além da marca conquistada por João do Pulo em 1975.Além disso, o torneio promete uma disputa acirrada. O atual campeão olímpico e mundial da prova, o português Nelson Évora, está confirmado, assim como o americano Walter Davis, 3º no Mundial de Osaka, em 2007. Apesar da 6ª posição nos Jogos de Pequim, Jadel é o atual vice-campeão do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.