Mãe de Nelsinho se diz chocada

Sylvia fica surpresa com a insinuação de Flavio Briatore, considerado por ela um amigo

Livio Oricchio, O Estadao de S.Paulo

12 de setembro de 2009 | 00h00

Sylvia, mãe de Nelsinho Piquet, afirmou, ontem, por telefone à imprensa holandesa, ter ficado "horrorizada" com a insinuação. "Esse senhor é um amigo da família, ajuda o Nelsinho desde o início da carreira." A intenção de Briatore, com o comentário, segundo disse, é atingir na realidade o pai do piloto. Nelson Piquet regularmente fazia brincadeiras com a masculinidade de alguns personagens, entre eles Ayrton Senna, o que lhe valeu até mesmo uma citação judicial no Brasil, em 1987.

Veja no canal especial o grid de largada para o GP da Itália de F-1

Na conversa com a imprensa internacional, Briatore contextualizou o ocorrido. "Tive informações de que Nelson, o pai, planejava entregar o relatório escrito por Nelsinho à FIA antes de ele fazê-lo. Pessoalmente redigi uma carta, no dia 28 de julho, e expliquei que, se fizesse isso, responderia legalmente pela iniciativa." Dois dias depois, Nelsinho levou o documento a Max Mosley, presidente da entidade. "O que eles fizeram é gravíssimo e agora vão arcar com as consequências."

Durante a investigação, nunca como desta vez tantos documentos foram disponibilizados à imprensa. "A nossa associação (Fota) não gostou nada disso. São informações que se destinam apenas à investigação enquanto não houver uma resolução do caso. A Renault cumpriu", prosseguiu Briatore.

Assim, na quinta-feira, as acusações de Nelsinho percorreram o mundo sem defesa dos franceses. Ontem Briatore não poupou ataques. E até abriu um ponto da defesa da Renault no julgamento do dia 21 em Paris. Seu ex-piloto lembra no relatório do ocorrido em Cingapura que a cada volta pedia, pelo rádio, para ser informado a respeito da volta em que estava, a fim de provocar o acidente programado. Briatore respondeu: "Mentira. Ele nos solicitou apenas na oitava volta da corrida qual era volta em que estava."

Ontem o presidente da FIA, Max Mosley, lembrou que até que provem em contrário, a Renault é inocente. "Eles deveriam entregar os argumentos técnicos de defesa até segunda-feira, mas pediram mais tempo." Ontem também, diante da exposição da entrevista de Briatore, Nelsinho emitiu novo comunicado: "Tenho consciência do poder dos que estão sob investigação e os imensos recursos a sua disposição, mas não me intimidarei. Não mais serei obrigado a tomar decisão da qual me arrependerei futuramente." Disse, ainda, estar falando a verdade e "não ter nada a temer".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.