Máfia do Apito foi revelada em 2005

Escândalos na arbitragem brasileira não são novidade. O Brasileiro de 2005 foi marcado pela Máfia do Apito. O ex-árbitro Edílson Pereira de Carvalho, que pertencia à Fifa, confessou ter recebido propina de grupo de apostadores de São Paulo e Piracicaba para fraudar resultados e favorecer apostas em sites controlados pelo empresário Nagib Fayad.

O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2012 | 03h04

Após a denúncia, 11 partidas do foram anuladas. O Corinthians foi o campeão, e tanto Edílson quanto outro árbitro acusado de participar do esquema, Paulo José Danelon, acabaram afastados e expulsos do futebol.

No ano seguinte, foi a vez de a Itália ser palco de outro escândalo. Luciano Moggi, então principal dirigente da Juventus, foi flagrado por escutas telefônicas em conversas nas quais acertava resultados. O clube foi rebaixado para a Segunda Divisão e os envolvidos foram afastados do esporte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.