Christophe Simon/AFP
Christophe Simon/AFP

Magnussen ainda pode brilhar na piscina, diz colega australiano

Equipe da Austrália ficou em quarto lugar no revezamento 4x100m livre

NICK MULVENNEY, Reuters

30 de julho de 2012 | 10h35

LONDRES - Parecendo abatido após uma noite insone, Matt Targett ainda lutava para explicar o desempenho decepcionante da Austrália no revezamento 4x100m livre na Olimpíada de Londres nesta segunda-feira.

Esperava-se que a muito elogiada equipe australiana, liderada por James Magnussen, favorito à medalha de ouro nos 100m nado livre, disputasse o título com os norte-americanos no domingo, mas ela terminou em quarto em meio ao choque da vitória francesa.

"Tive muito tempo para pensar nisso, porque não dormi nada a noite passada", disse Targett, segundo na água depois da desapontadora primeira volta de 48s03 de Magnussen, em uma coletiva de imprensa.

"Tínhamos planejado estabelecer uma liderança e aproveitá-la, e não saiu como planejado."

"Achamos que poderíamos fazer algo muito especial e, como viram, ficamos devendo muito", acrescentou.

O campeão mundial Magnussen tem de longe o melhor tempo do ano nos 100m nado livre (47s10) e esperava-se que ele encerrasse uma seca de 44 anos para a Austrália na prova individual, além de conduzir o revezamento.

Leigh Nugent, o desbocado técnico australiano, descreveu a prova de revezamento como um "resultado desastroso", sentimento com o qual Targett se vê inclinado a concordar.

"Nós, como todos, esperávamos voltar para casa com o ouro, ou pelo menos ficar no pódio, mas deu mais do que um pouco errado, e estou sentado aqui sem uma medalha no peito", declarou.

"Sinceramente fiquei feliz com meu nado, e não vou comentar os outros, obviamente ninguém esperava que James (Magnussen) nadasse em 48 segundos e acho que isso pode nos ter abalado mentalmente."

Magnussen, conhecido por verbalizar sua confiança em sua própria habilidade, levou uma surra da mídia australiana na segunda-feira, especialmente por ter se sentado ao invés de ficar de pé junto com os colegas enquanto a prova se desenrolava.

Targett disse não crer que o revezamento decepcionante de Magnussen vá necessariamente dar confiança a seus rivais no evento individual.

"Eles podem interpretar isso como quiserem, mas sabem que ele tem potencial para nadar em 47s1, e eles não podem dizer isso de si mesmos."

Indagado se Magnussen ainda pode brilhar em Londres, ele foi claro.

"Pode sim, ele é o melhor do mundo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.