Marcelo Cortes/Flamengo
Marcelo Cortes/Flamengo

Relembre as principais polêmicas do esporte em 2021

Ano teve saída conturbada de Daniel Alves do São Paulo, rixa no vôlei por declarações homofóbicas, além de outros episódios

Rodrigo Sampaio, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2021 | 14h00

De flagra em cassino a sumiço de três dias. O esporte brasileiro foi marcado por uma série de episódios polêmicos no ano de 2021, em casos que extrapolaram as quatro linhas e conturbaram os bastidores do Time Brasil na Olimpíada de Tóquio.

Relembre, a seguir, as principais polêmicas de 2021 nos esportes

Gabigol flagrado em cassino clandestino

Em março, o atacante Gabigol, do Flamengo, foi flagrado em um cassino clandestino na Vila Olímpia, bairro nobre na zona sul de São Paulo, durante uma operação da Polícia Civil. O jogador estava escondido embaixo de uma mesa no momento em que os agentes entraram no local, onde mais de 200 pessoas “furavam” a quarentena.

O episódio aconteceu na véspera da reapresentação dos principais jogadores do Flamengo para a temporada 2021. No dia seguinte ao ocorrido, o atacante pediu desculpas e admitiu que "falta de sensibilidade" pela ida ao local em meio à pandemia, mas afirmou que estava apenas "jantando com os amigos" quando chegou a polícia. O atleta não foi indiciado e o clube carioca não se pronunciou sobre o caso.

Medina, Yasmin Brunet e o COB

Em junho, o surfista Gabriel Medina e a mulher, Yasmin Brunet, entraram em rota de colisão com o Comitê Olímpico do Brasil (COB) às vésperas da Olimpíada de Tóquio após a entidade vetar a presença da companheira do atleta nos Jogos. A polêmica se estendeu até o início do torneio, e gerou um desgaste entre as partes.

O bicampeão mundial de surfe disse se sentir “injustiçado” pelo COB, uma vez que outros competidores do Time Brasil levaram familiares como parte da equipe. Por sua vez, a entidade afirmou que seguiu as diretrizes do Comitê Organizador, ressaltando que o credenciado para a Olimpíada exigia ligação com a modalidade, e que os competidores tiveram liberdade para escolher quem preferiam levar. De casa, Yasmin acompanhou Medina e viu o marido ficar em 4º lugar, protestando nas redes logo após a disputa pelo bronze.

Kelvin Hoefler x Letícia Bufoni

Logo após a conquista da medalha de prata de Kelvin Hoefler, Letícia Bufoni expôs um racha na equipe olímpica brasileira de skate. De acordo com a paulista, o medalhista não estava unido aos demais integrantes do grupo. Hoefler negou estar afastado dos companheiros, mas confirmou que não é mais próximo de Letícia.

Poucas semanas após o ocorrido, os skatistas voltaram a trocar farpas. Em entrevista ao podcast Podpah, Hoefler deu a entender que alguns skatistas brasileiros que não tiveram bom desempenho na capital japonesa não estavam empenhados em conquistar uma posição no pódio, citando diretamente Letícia. A brasileira rebateu a declaração nas redes sociais comparando o número de medalhistas com o total de participantes para defender os que não conseguiram ir ao pódio.

Saída conturbada de Daniel Alves do São Paulo

O casamento entre Daniel Alves e São Paulo, contratado como estrela em 2019, acabou de forma repentina em setembro com o tricolor paulista anunciando que o lateral-direito não jogava mais pelo clube. A bomba pegou a comissão técnica comandada por Crespo de surpresa, que perdia seu principal jogador para a sequência da temporada.

Daniel Alves estava com a seleção brasileira para a rodada tripla das Eliminatórias e não se reapresentou após o fim dos compromissos com o time de Tite. O atleta justificou a ausência pelos atrasos no pagamento de salários referentes ao ano de 2020, com pendências que chegavam a R$ 11 milhões. Indignados com a atitude, a diretoria decidiu rescindir o contrato do atleta e seguir com o pagamento das dívidas na esfera jurídica.

Mauricio Souza e o beijo gay do Super-Homem

O central da seleção brasileira de vôlei, Maurício Souza, teve seu contrato rescindido com o Minas Tênis Clube em outubro após uma série de declarações homofóbicas em suas redes sociais. A mais notável foi quando o jogador criticou uma nova versão de quadrinhos do Super-Homem, na qual o herói é bissexual e aparece beijando outro homem. "Hoje em dia o certo é errado, e o errado é certo", escreveu.

A publicação foi a gota d'água para o Minas afastar o atleta e, posteriormente, encerrar o contrato de Maurício depois da pressão de patrocinadores. Após o episódio, o atleta pediu desculpas, mas não disse estar arrependido e reclamou de "não poder mais dar a opinião".

Abandono na Itália

Xodó da torcida brasileira nas Olimpíadas, Douglas Souza foi outro jogador de vôlei que terminou o ano com seu nome envolvido em polêmica. O atleta da seleção brasileira foi acusado por sua equipe, o Tonno Callipo Volley, de abandonar o clube sem autorização ou justificativa. O time italiano se pronunciou nas redes sociais e classificou a atitude como "inexplicável".

Douglas Souza retornou ao Brasil na primeira semana de dezembro e não se pronunciou sobre o caso. O futuro do atleta ainda é desconhecido.

Jô ‘otário’ desaparecido por três dias

Após o fim da última rodada do Brasileirão, no dia 9 de dezembro, o atacante , do Corinthians, desapareceu por três dias após supostamente ir a uma festa de Douglas Costa, do Grêmio, em Porto Alegre. O time paulista estava no Rio Grande do Sul para o jogo contra o Juventude, que garantiu a permanência na Série A ao vencer por 1 a 0.

Ao reaparecer, Jô foi às redes sociais pedir desculpas à família e anunciar o fim de seu casamento. "Sou um otário", escreveu. Como os jogadores estavam de férias, o Corinthians não se pronunciou sobre o episódio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.