Mais fiéis ao Corinthians têm prioridade para ver a final

Apenas 2 mil corintianos poderão ver, no Estádio Beira Rio, em Porto Alegre, a decisão da Copa do Brasil diante do Internacional, dia 1º. E a diretoria do clube pretende ser justa na divisão dos ingressos. Os sócios-torcedores mais fiéis ao time - os que mais foram aos jogos desde a implantação do sistema - terão prioridade. Não haverá venda nas bilheterias."Estamos ligando para esses torcedores para ver se há ou não o interesse em ver o jogo. Estamos tentando organizar, fazendo um histórico", revelou Lúcio Blanco, diretor de arrecadação do Corinthians.Os bilhetes já estão com os dirigentes. Mas tudo será organizado para não repetir a confusão da decisão do ano passado, quando seis mil corintianos foram para o Recife e, inicialmente, a diretoria do Sport liberou 2 mil ingressos. Após muita insistência, o presidente Andrés Sanchez ainda conseguiu mais 1,6 mil entradas. Os 2,4 mil corintianos restantes tiveram de ver a decisão por um telão instalado ao lado do estádio."Muita gente já está comprando as passagens aéreas sem os bilhetes. Pedimos que não façam isso", apelou Lúcio. "Estamos procurando passar o máximo de informações para evitar problemas."Dos 2 mil ingressos disponíveis, uma parte vai ser destinada aos passageiros do Timão Tur, agência de viagens parceira do Corinthians. Outra parcela está reservada para as torcidas organizadas. "Vamos atender a todo mundo, mas não como eles querem que seja."A saída encontrada pelos dirigentes para satisfazer quem não conseguir o bilhete será a instalação de um telão no Parque São Jorge. Repetiria o que aconteceu em 2008 e no primeiro jogo diante dos gaúchos, no Pacaembu. "Sabemos que todos querem ver a final de perto, porém, isso não será possível."Alguns corintianos protestaram com os dirigentes por achar duas mil entradas muito pouca. Queriam 10% da cota, normalmente o que acontece nos jogos. Lúcio explica. "As duas diretorias chegaram ao comum acordo de ceder essa quantidade. E todos cumpriram o combinado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.