Manchester é o desafio do Chelsea de Felipão

Até alguns anos atrás, jogar com o Chelsea representava para o Manchester United apenas formalidade da tabela. O rival londrino mais temível era o Arsenal, sem contar o Liverpool, bicho-papão tradicional. De uns tempos para cá, a situação mudou. O Chelsea se agigantou com o mar de dinheiro despejado pelo bilionário russo Roman Abramovich e se transformou em inimigo a ser batido por todos na Premier League. Por isso, o duelo de hoje - 10 horas da manhã, horário de Brasília, com ESPN - ganha status de "clássico" e pode sinalizar o rumo da briga pelo título na temporada de 2008-09. O Chelsea começou a 6ª rodada na liderança, com 10 pontos (ao lado do Liverpool, que ontem ficou no 0 a 0 com o Stoke), enquanto o Manchester United, com 4, patinava na 14ª posição. Outro candidato ao título, o Arsenal, venceu o Bolton por 3 a 1 - um dos gols marcado pelo brasileiro Denilson - e tem agora 12 pontos, provisoriamente na liderança. A postura diferente em relação ao clássico começa nos bastidores. Alex Ferguson, técnico do Manchester, admite que o desafio no Stamford Bridge é tentador. O Chelsea não perde em casa desde fevereiro de 2004 - invencibilidade de 84 jogos. Felipão tenta tirar a pressão de seus jogadores. O pouco tempo de Inglaterra foi suficiente para mostrar que existe rivalidade entre os dois times, mas ele desconversou. "É um jogo a mais, nada especial", disse, em entrevista ao site do clube. "Quando vim para cá, o desafio era ganhar o título nacional e não jogos isolados." O Manchester deve ter Cristiano Ronaldo como titular e o Chelsea terá a volta do capitão Terry.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.