Jeff Haynes/Reuters
Jeff Haynes/Reuters

Manny Pacquiao vence e mantém título

Após 12 assaltos, boxeador filipino vence o ganês Joshua Clottey por decisão dos juízes

AE

14 de março de 2010 | 04h01

Diante de um público de 50.944 pessoas, o pugilista filipino Manny Pacquiao confirmou o favoritismo e venceu o ganês naturalizado norte-americano Joshua Clottey, na noite de sábado, em Dallas, no Estados Unidos. Com a vitória unânime por pontos, ele manteve o cinturão dos meio-médios (até 66,678 quilos), versão Organização Mundial de Boxe.

 

A luta foi disputada no estádio do Dallas Cowboys, o tradicional time de futebol americano, e reuniu um grande público para ver aquele que é considerado por muitos críticos como o melhor pugilista da atualidade. Pacquiao confirmou as expectativas e foi superior a Clottey em praticamente todos os 12 assaltos do combate.

 

Aos 31 anos, Pacquiao deveria ter feito agora a luta contra o norte-americano Floyd Mayweather, mas faltou acordo entre as duas partes. Assim, o filipino encarou Clottey como uma espécie de treino de luxo antes do esperado combate. E aumentou se cartel para 51 vitórias (38 nocautes) e apenas três derrotas em 15 anos de carreira.

 

Mayweather vai enfrentar o também norte-americano Shane Mosley no dia 1º de maio, em Las Vegas. E, se vencer, deverá fazer o combate com Pacquiao ainda neste ano - a expectativa é que cada um receba US$ 40 milhões de bolsa. "Eu quero essa luta, o mundo quer essa luta, mas depende dele", avisou o filipino, após a vitória sobre Clottey.

 

Sobre a vitória por pontos em Dallas, Pacquiao disse que sua estratégia teve um bom resultado. "Ele é um lutador muito bom defensivamente. E eu me mantive concentrado para dominá-lo. Deu certo", afirmou o filipino. "Ele é muito, muito rápido. Tentei pegá-lo, mas não consegui", lamentou Clottey, que somou a quarta derrota na carreira.

Tudo o que sabemos sobre:
boxeManny PacquiaoJoshua Clottey

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.