Mano, aplaudido, festeja o 1 a 0

Técnico, homenageado pelos 100 jogos no Corinthians, elogia equipe

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

14 de maio de 2009 | 00h00

É histórico. Em todos os jogos, a torcida do Corinthians canta o nome de um a um de seus jogadores. Orgulhosa, agora faz questão de também gritar "Mano, Mano, Mano." O treinador caiu nas graças do torcedor e, ontem, viu seu trabalho reconhecido pela diretoria. O presidente Andrés Sanchez entregou uma placa ao técnico em homenagem a seus 100 jogos dirigindo a equipe. "Gratidão eterna pelos 100 jogos. Esperamos que venham outros 100."O técnico agradeceu a homenagem e se disse orgulhoso em honrar as tradições de um clube de massa. "Uma emoção muito grande, e só se chega a essa marca quem conquista bons resultados", afirmou Mano, em alta também com a cúpula do clube. O diretor de marketing Luiz Paulo Rosenberg estava com camisa que também traz homenagem ao técnico. "Sou mano do Mano" era a frase no peito, com o rosto e o autógrafo do técnico nas costas.Homenagem no gramado, comemoração no vestiário. Mano gostou do triunfo por 1 a 0. "Em parte, nosso torcedor tem razão de achar que foi pouco. Criamos um número bastante grande de oportunidades, foi um primeiro tempo irrepreensível", disse. "Mas saio contente com o resultado, temos todos os empates e todas as derrotas por diferença de um gol, se marcarmos. E o 1 a 0 é pênalti."A felicidade do treinador tem um motivo. E ele explicou: "Colocamos cinco jogadores sem melhores condições e, mesmo assim, jogamos um primeiro tempo muito bom." Na verdade, seis. Ronaldo, Elias, Jorge Henrique, André Santos, Dentinho e Chicão lutaram contra a gripe e as dores durante a semana. "No Rio, o Fluminense terá de sair para cima e estamos sempre marcando gols", afirmou o treinador.PROTESTOApesar do ótimo público no Pacaembu, os torcedores não deixaram de reclamar do aumento no preço dos ingressos. "Andrés, aqui não tem burguês", gritaram. Os bilhetes agora vão de R$ 30 a R$ 250 para o setor Vip, ontem vazio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.