Mano compara Ronaldo a Jordan

Técnico corintiano se inspira em livro da NBA para lidar com craque

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

27 de dezembro de 2008 | 00h00

Mano Menezes está sorrindo. Ganhou todas as contratações que pediu e, de bônus, recebeu o atacante Ronaldo. Considerou o presente tão grande que foi buscar na NBA, o basquete norte-americano, a fórmula para tratar com a estrela sem menosprezar ninguém ou causar ciúme no restante do elenco. O treinador usará o livro Cesta Sagrada, do técnico Phil Jackson, que dirigiu Michael Jordan no pentacampeão Chicago Bulls.   Ouça entrevista de Mano Menezes e veja mais imagens dos treinos"O livro tratava da relação do Jordan com os outros jogadores. No primeiro momento, diante de um jogador acima da média, todos só ficavam observando em vez de jogar", observou Mano. "Aqui, nos primeiros dias, também será diferente. Mas tentaremos, no dia-a-dia, deixar sua chegada mais natural. Quanto mais cedo conseguirmos, chegaremos ao resultado que queremos", seguiu. "É assim que vou conduzir, foi o tom da primeira conversa para que as coisas andem bem."O treinador bateu um bom papo com o jogador. E gostou do que ouviu. Encontrou um atacante empolgado, com disposição em ajudar. "Foi uma conversa exatamente em termos da filosofia de trabalho. Eu já sabia de sua expectativa e, se não fosse dentro dessa idéia dele de voltar a jogar em alto nível, de pensar numa Copa do Mundo, certamente não iria apostar num projeto de tamanha grandeza", comentou.Agora, a meta é fazer a conversa se confirmar na prática. "Caberá a nós da comissão técnica e ao Ronaldo em sua parte pessoal fazer o que é preciso. Não é só de boa intenção que vive o mundo. Precisamos de sacrifício, dedicação e um pouco de calma", declarou o treinador. "Ele está ansioso para voltar, mas precisamos controlar essa ansiedade. Sabemos que ele vem de uma lesão grave que pode, agora, trazer pequenas lesões musculares. Cabe ao pessoal da preparação física controlar (para evitar esses problemas). Uma contusão pode custar até 45 dias para um atleta. No caso de Ronaldo, pode atrapalhar mais."Cauteloso como um treinador deve ser, eufórico no lado torcedor. Mano se diz feliz por contar com um dos maiores atacantes de todos os tempos e garante não ter dúvidas de que Ronaldo voltará a brilhar. "Com boa condição, ele vai recuperar muito de sua capacidade." Como? "Diminuindo a faixa de ação para aproveitar sua capacidade de definição. Não o vejo mais dando arrancadas mais longas, vindo do meio."Mano acha natural a empolgação da torcida, mas trabalha para evitar o assédio exagerado. "Acho que toda a movimentação é proporcional ao que ele significa, por toda a trajetória que construiu. Mas hoje nosso meio nos cria algumas alterações que vamos tentar fazer para dar a tranqüilidade de que ele precisa." E nada de regalias. "Os grandes jogadores não querem privilégios. Querem cobrança, pois elas elevam o nível dos momentos que estão atravessando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.