Mano critica Leão, que reclama do juiz, que ameaça processar

Jogo entre Corinthians e Sport provoca muito bate-boca nos bastidores

Anelso Paixão, O Estadao de S.Paulo

18 de julho de 2009 | 00h00

O jogo entre Corinthians e Sport não foi quente apenas pela quantidade de gols e a disposição dos clubes. Os 4 a 3 para o Corinthians provocaram muita polêmica. Mal a bola parou de rolar, começou o bate-boca. O vice-presidente de futebol do Sport, Guilherme Beltrão, chamou o árbitro Carlos Eugênio Simon de bandido. O técnico do Corinthians, Mano Menezes, ficou irritado com os comentários do técnico do Sport, Emerson Leão, sobre uma conversa que ambos tiveram no campo e disparou: "Aqui em São Paulo, o que se fala no campo acaba vindo a público. Isso é coisa de lavadeira, não é coisa de homem."Ontem, um dia depois da confusão, as trocas de acusações continuaram. "Digo que o Simon é bandido e quero que ele me processe, para eu poder dizer isso num tribunal. E espero que seja um Tribunal Cível ou Criminal", ameaça. "Vou apresentar todas as provas contra ele, mostrar todas as vezes que errou para beneficiar aqueles que queria agradar."Simon, que passou boa parte do dia em viagem, retornando de São Paulo a Porto Alegre, se disse surpreso com as acusações e respondeu. "Considero a arbitragem que fiz neste jogo uma das melhores de minha carreira. Foi uma partida com sete gols e em que nenhum houve qualquer polêmica ou erro de interpretação", avaliou.Sobre o fato de ter sido chamado de bandido, mostrou surpresa. "Eu não vi os programas de televisão e rádio hoje (ontem), porque fiquei muito tempo em aeroporto, e fico espantado. Vou me inteirar de tudo isso e consultar um advogado para tomar providências", explicou. "Mas, pelo que sei, este dirigente do Sport gosta de aparecer. Nem sei quem ele é."A resposta de Simon teve réplica de Beltrão. "Se eu gosto de aparecer, ele gosta de apitar Copa do Mundo, e faz o que for preciso para conseguir isso. Está sempre de bem com os poderosos. E, hoje, agradar ao Corinthians é um grande negócio, porque é o time do presidente da República. Tem até construtora querendo fazer Centro de Treinamento para o Corinthians só para agradar ao Lula", disparou. "E faço questão de deixar claro que só gosto de aparecer contra gente safada, como o Simon, o Heber Roberto Lopes (árbitro) e o Vanderlei Luxemburgo (técnico, com quem discutiu em jogo da Libertadores)."O dirigente pernambucano não poupou nem mesmo Ronaldo Fenômeno, autor de dois gols na vitória corintiana. "Hoje é um grande problema ser zagueiro contra o Ronaldo. Se um jogador fizer uma falta e machucá-lo, vai ser execrado pela imprensa mundial. Agora, sofrer falta do Ronaldo não tem problema. Se ele quebrar a perna de alguém, não vai levar nem amarelo."O técnico Mano Menezes também não desperdiçou a oportunidade de colocar fogo na polêmica sobre a arbitragem. "Eles (o Sport) queriam o árbitro do ano passado", disse referindo-se a Alício Pena Júnior, que apitou a final da Copa do Brasil de 2008 entre os times e não marcou pênalti sobre o atacante Acosta no final da partida. O dirigente pernambucano, é claro, deu o troco. "O Mano fala isso porque ele queria o Simon ou o Heber Roberto Lopes na final do ano passado. Para nossa sorte, no sorteio deu o Alício."Em meio a toda essa troca de acusações, Simon disparou contra seus algozes, incluindo o técnico do Sport. "O Leão vai terminar a carreira invicto. Ele nunca perdeu. É sempre a arbitragem que perde para ele."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.