Mano defende Ronaldo após empate na Colômbia

Apesar da substituição, treinador elogiou atuação do atacante no 2.º tempo

Marcel Rizzo, ENVIADO ESPECIAL, BOGOTÁ, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2010 | 00h00

Apesar de ter sido aplaudido de pé no El Campín, Ronaldo teve mais uma atuação apagada, no empate com o Independiente, quarta-feira à noite. Agora são seis partidas e só um gol marcado. Por isso, Mano Menezes teve de sair em defesa de seu camisa 9"Há jogos em que o Ronaldo tem mais dificuldade, porque temos menos volume de jogo", analisou. "Foi assim na Colômbia. Mas no segundo tempo, principalmente, teve posicionamento mais aberto e isso melhorou sua participação."

Pela primeira vez desde março de 2009, Ronaldo foi tirado do time durante uma partida por opção tática e técnica. Souza entrou em seu lugar. Nos outros confrontos nos quais começou como titular, sempre saiu nos minutos finais, com o jogo já decidido, para ser ovacionado.

Mano ainda considera o centroavante intocável pelo poder de desequilibrar. Em sua avaliação, Ronaldo intimida os zagueiros, sobretudo os estrangeiros, que o veem como um mito. O peso do astro, que oscila entre 95 e 98 quilos, é visto no clube como normal. Para o presidente Andres Sanches, se o Fenômeno estivesse fazendo gols, "ninguém tocaria no assunto".

Sobre o time ideal, Mano surpreendeu a todos, ao usar uma formação mais defensiva, em vez de colocar a equipe que todos imaginavam que seria a de seus sonhos - com o quarteto Tcheco, Danilo, Jorge Henrique e Ronaldo. O primeiro ficou no banco e Jucilei jogou.

E que o corintiano se acostume, pois essa será a tendência na Libertadores: dentro de casa, time que ataca muito. Mas fora a marcação será priorizada. "É preciso ter segurança maior como visitante. Agora, precaução não quer dizer que vamos abdicar de atacar."

Desde o começo do ano, sempre que pode, o treinador diz que tem 14 ou 15 titulares. "O Dentinho, por exemplo. Todos me cobravam se ele era titular ou não, já que vem em ascendente. Ele é titular, sempre foi."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.