Mano nem pensa no banco para Ronaldo

Técnico reconhece que Corinthians atuou mal no Maracanã, mas diz que única boa jogada saiu dos pés do Fenômeno

André Rigue e Bruno Lousada / RIO, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2010 | 00h00

O desempenho ruim na derrota para o Flamengo, ontem, no Maracanã, pelo jogo de ida das oitavas de final da Taça Libertadores, não foi suficiente para abalar a confiança do técnico do Corinthians, Mano Menezes, em Ronaldo. Para o treinador, se o Fenômeno não apresentou um grande futebol, foi dos pés dele que saiu a melhor jogada do time. "Confio na capacidade dele, todos nós acreditamos nele", afirmou Mano, que garantiu o atacante na partida de volta, na próxima semana, no Pacaembu. "Ronaldo será titular na quarta-feira."

Ao ser perguntado se encontra dificuldade para tirar Ronaldo da equipe titular, Mano deu sinais de irritação. "Eu vou tirar quem eu tiver de tirar", respondeu. "Vou fazer aquilo que for melhor para o "boteco", e não para agradar a outras pessoas."

Os jogadores do Corinthians até que tentaram ensaiar discurso parecido ao do treinador, mas não conseguiram esconder o semblante resignado, que misturava frustração com decepção nos vestiários do Maracanã. Em geral, os atletas entenderam que o time jogou mal, pouco criou e, nas raras vezes que se aproximou do gol, demonstrou dificuldade enorme para finalizar com qualidade. Ronaldo, com participação nula, representou bem esse problema. "Até que tivemos mais posse de bola, mas não conseguimos concluir", analisou o zagueiro Chicão. "Entretanto, permitimos que eles jogassem no contra-ataque. Sofremos o gol numa bobeira. Temos chances de virar no Pacaembu. Tivemos tudo para conseguir um resultado melhor."

Mano Menezes reconheceu que o time não teve uma noite feliz, sobretudo na defesa. "Tivemos velocidade para fazer algumas jogadas, mas não tivemos velocidade para recompor a defesa", explicou. "Não estamos reclamando de injustiça. Temos de fazer um jogo melhor na quarta-feira, estaremos mais fortes e os papéis se invertem na próxima semana."

Bronca. Andrés Sanchez não gostou do tratamento recebido no Maracanã. O presidente do Corinthians encontrou problemas na tribuna reservada pelo Flamengo e acompanhou parte do jogo ao lado da imprensa - teve de encarar a pouca visibilidade das cabines por causa dos vidros embaçados pela chuva. Andrés ficou muito nervoso e roeu as unhas por várias oportunidades, principalmente quando o Corinthians foi atacado.

Outro fator que tirou o presidente corintiano do sério foi a distribuição de ingressos. "Destinaram 2.500 entradas para a torcida do Corinthians, o que dá menos do que os 10% de direito", afirmou. "No Pacaembu, vamos destinar o mesmo porcentual. Eles terão 700 ingressos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.