Mano vai dar uma chance para Ganso entrar nos eixos

Treinador da seleção quer ver o meia santista mais tempo em ação e por isso pode mexer no time na quarta-feira

MANCHESTER, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h04

A seleção brasileira alcançou seu primeiro objetivo nos Jogos, que era se classificar para a segunda fase, e isso dá a Mano Menezes a liberdade para fazer algumas experiências na equipe, ou mesmo oferecer mais tempo em campo para jogadores que precisam ganhar ritmo de jogo. É exatamente esse o caso de Paulo Henrique Ganso. O meia será titular na partida contra a Nova Zelândia, na quarta-feira, em Newcastle, porque seu chefe o quer pronto para entrar em ação quando a Olimpíada realmente pegar fogo.

Ganso ficou no banco nos dois primeiros jogos e em ambos entrou no segundo tempo, sem muitos minutos para mostrar o que pode fazer. E o próprio Mano, apesar de elogiar o meia santista contra o Egito e contra a Bielorrússia, admite que essa situação não é boa para Ganso.

"Ele não é um jogador de explosão, que possa entrar faltando 15 minutos para o fim do jogo e mudar o panorama", disse o treinador. "Ganso é um jogador para segurar a bola, controlar o jogo, e foi para isso que ele entrou nas duas partidas."

Mano ainda vai decidir quem tirará do time para que Ganso entre. O mais óbvio seria a saída de Oscar, jogador que roubou do santista a camisa 10 da seleção, mas há outras opções: tirar Hulk para que Ganso jogue ao lado de Oscar, com Neymar e um centroavante à frente, ou tirar um dos volantes. Nesse caso, Oscar jogaria um pouco mais atrás, perto do único volante.

Satisfação. O treinador ficou muito satisfeito com a vitória de ontem porque viu seu time sair de uma situação difícil do jeito que ele queria, jogando com paciência e sem abusar das jogadas individuais. "Nós tomamos o gol porque aparentemente subestimamos a capacidade do adversário de criar chances e ficamos assistindo", comentou Mano. "Mas depois tivemos a calma que não tivemos no primeiro jogo. Criamos muitas chances e no segundo tempo tivemos inteligência para trabalhar a bola e encontrar espaço."

Depois da ótima atuação, ontem, Neymar disse que não se sente nem um pouco incomodado com a cobrança para brilhar sempre.

"Eu não me sinto pressionado, sempre vivi isso na minha vida. E não é só para mim, é para todo grupo a cobrança." / M.S.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.