Manter-se na briga

Podem esperar um Alonso mais agressivo do que nunca neste domingo.

REGINALDO LEME, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2012 | 02h04

Inteligente como é, ele sabe que só terá chance de brigar pelo título em Interlagos se conseguir diminuir um pouco a diferença que o separa do líder Sebastian Vettel, atualmente de 10 pontos. Não será nada fácil porque os carros da Red Bull e da McLaren se mostram fortes na nova pista, mas a Ferrari apareceu um pouco melhor e não existe o que seja impossível para Fernando Alonso.

O circuito de Austin, no Texas, traz de volta a F-1 aos Estados Unidos depois de cinco anos de ausência. A última corrida do Mundial em território norte-americano foi a de Indianápolis em 2007, justamente a que marcou a estreia de Vettel, chamado pela BMW para substituir Robert Kubica, que tinha sofrido grave acidente na semana anterior no Canadá. Alonso, naquela época, vivia uma verdadeira guerra, brigando dentro e fora da pista com Hamilton, ambos na McLaren. O resultado daquela corrida foi Hamilton em 1.º, Alonso em 2.º e Vettel estreou marcando um ponto com o 8.º lugar.

Outras nove pistas, entre autódromos e circuitos de rua, receberam o GP dos Estados Unidos, sem contar as 500 Milhas de Indianápolis, que de 1950 a 1960 fizeram parte do Mundial, embora nenhum piloto da F-1 participasse da prova. O primeiro GP americano foi disputado em Sebring em 1959. No ano seguinte, em Riverside, mas foi a partir de 1961 que ele se fixou em Watkins Glen, circuito que sediou a corrida até 1980, e tem uma importância especial para nós porque foi onde Emerson Fittipaldi conquistou a primeira vitória brasileira em 1970. O país chegou a ter mais de um GP anual, com a inclusão de circuitos de rua como os de Long Beach, Las Vegas, Dallas, Detroit e Phoenix. De 2000 a 2007 a corrida foi disputada em uma pista criada dentro de Indianápolis.

O novo circuito de Austin é mais uma criação do arquiteto alemão Herman Tilke, que coleciona acertos e erros no desenho de nove pistas da F-1. Desta vez ele seguiu a ideia de reunir algumas das curvas mais importantes de outros autódromos, nesse caso Hockenheim, Silverstone e o próprio Istambul Park. São 20 curvas, sendo seis muito velozes (acima de 250 km/h) e seis lentas (abaixo de 100 km/h).

Para o campeonato não terminar neste domingo, se Vettel vencer, Alonso precisa chegar pelo menos em 4.º lugar. Há outras combinações mais tranquilas para o espanhol, mas, de qualquer forma, basta Vettel não subir ao pódio para que a decisão venha para Interlagos. É tudo o que Alonso quer, de preferência chegando na frente de Vettel para chegar a Interlagos com uma diferença abaixo dos 10 pontos. Toda a F-1 sabe que as condições do tempo habitualmente fazem da corrida brasileira uma grande loteria.

Macau. Felipe Nasr, largando em 6.º, e Pipo Derani, de 18 anos, estreando em 12.º no grid são os brasileiros que participam neste fim de semana do GP de Macau, prova disputada há 59 anos. Entre os vencedores dessa prova, aparecem Schumacher, Hamilton, Kubica, Vettel e Senna. Roberto Moreno, Mauricio Gugelmin e Lucas di Grassi são outros brasileiros com vitória em Macau.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.