Mão na taça

Jorge Wagner faz gol da vitória são-paulina sobre o Cruzeiro: título está muito perto

Giuliano Villa Nova, O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2007 | 00h00

Diego Tardelli saiu do banco de reservas, ontem, no Morumbi, no jogo contra o Cruzeiro, e praticamente garantiu o título brasileiro ao São Paulo. O atacante se superou - até sábado, estava lesionado e não tinha presença garantida no confronto -, calou os críticos, que o consideram o mais fraco dos homens de frente da equipe, e deu o passe para Jorge Wagner marcar o gol da vitória sobre os mineiros, por 1 a 0 - a primeira, depois de quatro jogos. Bastou um minuto em campo para que Tardelli fizesse mais do que os outros atacantes tricolores e ampliasse para 13 pontos a vantagem do time na liderança do Nacional - 67 contra 54 do Palmeiras.''''Eu precisava dessa atuação. Há muito tempo não saía do Morumbi aplaudido pela torcida'''', reconheceu Tardelli. ''''Não estou tendo muitas oportunidades e pude ajudar o time de alguma forma'''', observou.Em tese, o time do Morumbi precisa de mais duas vitórias para garantir o título. Mas a taça também pode vir na próxima rodada, em caso de vitória sobre o Sport, no Recife, e se os concorrentes diretos tropeçarem.No primeiro tempo, o duelo do Morumbi não correspondeu à expectativa de um duelo decisivo, especialmente por parte do São Paulo, que só empolgou a torcida em alguns lances individuais de Dagoberto e Jorge Wagner. Quando tentou avançar coletivamente, o time de Muricy Ramalho centralizou demais as ações, ao invés de explorar os laterais. Como Richarlyson e Hernanes também estavam bloqueados pela marcação cruzeirense, os são-paulinos não obrigaram o goleiro Fábio a fazer nenhuma defesa.POR POUCOOs visitantes mereciam ir para o intervalo em vantagem, pois criaram as melhores chances de gols, principalmente em função do vacilo da defesa rival, que deixou Leandro Domingues duas vezes, livre de marcação, na área. Numa delas, o camisa 7 só não marcou porque Rogério Ceni saiu bem e fechou bem o ângulo.O camisa 1, que festejou a indicação para o prêmio de Bola de Ouro da revista France Football (leia abaixo), foi quem chegou mais perto do gol de Fábio, em duas cobranças de faltas - a segunda, saiu por pouco.Na etapa final, os visitantes aumentaram o ritmo, com Mariano no lugar de Ângelo. Porém, falou o essencial ao Cruzeiro: objetividade. Apesar de rondarem a área de Rogério Ceni, a única intervenção importante do capitão são-paulino foi num chute pela esquerda de Alecssandro, que quase chegou a Leandro Domingues.A torcida, que lotou o Morumbi, mas não se empolgou com o time, já estava impaciente, quando Muricy Ramalho colocou Diego Tardelli no lugar do improdutivo Souza. Na primeira vez em que pegou na bola, o atacante avançou pela esquerda, passou por Charles e fez passe preciso para Jorge Wagner, livre dos marcadores, acertar o canto do gol de Fábio.Imediatamente, os mais de 60 mil torcedores passaram a gritar ''''é campeão !'''' E ainda vibraram quando Dagoberto fez ótima jogada individual e parou na boa defesa de Fábio.No fim, o técnico Dorival Júnior colocou mais dois atacantes - Marcinho e Guilherme - mas os cruzeirenses não tiveram forças para empatar. Parecem ter reconhecido que o título brasileiro já tem dono.JOGOS QUE FALTAM 28/10 - Sport (F)31/10 - América-RN (C)4/11 - Juventude (F)11/11 - Grêmio (C)25/11 - Botafogo (C)2/12 - Atlético-PR (F)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.