Maracanã de R$ 1 bilhão está sob investigação

Licitação da reforma bilionária e suposta violação do tombamento estão na mira do Ministério Público Federal no Rio

Wilson Tosta / RIO, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2011 | 00h00

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro abriu dois inquéritos civis públicos para investigar suspeitas envolvendo a reforma do Estádio do Maracanã visando à Copa do Mundo de 2014.

No centro das investigações estão supostas irregularidades nas obras em duas áreas: presumida violação do tombamento federal do estádio e irregularidades na licitação para a reforma, cujo orçamento pulou de R$ 600 milhões para R$ 956.787.720,00.

Essa segunda investigação é feita paralelamente a outra, do Ministério Público Estadual fluminense (MPE-RJ), que tem o mesmo objeto: as duas procuradorias, a federal e a estadual, trocam informações a respeito.

O inquérito sobre supostas irregularidades foi aberto a partir de denúncias de técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Ao mesmo tempo, o Tribunal de Contas da União (TCU), por meio do ministro Valmir Campelo, relator dos projetos do Mundial de 2014 na corte, afirmou na terça-feira que "está tudo dentro do que a lei permite".

Demolição da marquise. A reforma do Maracanã inclui a demolição da marquise e do anel inferior do estádio - o interior da construção, inclusive arquibancadas, já foi derrubado.

A Empresa de Obras Públicas (EMOP) alega que a demolição da marquise foi necessária porque ela estava condenada, mas a iniciativa pode ter gerado prejuízo para o Estado.

Ícaro Moreno Júnior, presidente da EMOP, se reuniu ontem com o procurador da República Maurício Andreiuolo, responsável pela investigação civil sobre o tombamento, para apresentar informações sobre a obra.

Sobrepreço. O inquérito do MPF sobre a licitação da reforma é resultado de análises do Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria Geral da União (CGU), que detectaram inconsistências no projeto de reforma e indícios de sobrepreço.

Em tese, um inquérito civil público pode ser responsável por gerar ações de ressarcimento ao erário e de improbidade administrativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.