Maradona assume o comando da Argentina

Polêmico astro vai ser o técnico da seleção que tenta ir ao Mundial da África, apesar da rejeição a seu nome em enquetes e na imprensa

Ariel Palacios, BUENOS AIRES, O Estadao de S.Paulo

29 de outubro de 2008 | 00h00

O maior astro da história do futebol argentino, Diego Armando Maradona, fiel a seu estilo, confirmou ontem: é o novo técnico da seleção argentina. Até o início da noite, a diretoria da Associação de Futebol da Argentina (AFA) ainda não havia feito anúncio oficial, mas o acerto já estava definido. Maradona, ao sair da reunião com os diretores da AFA, disse que faltava discutir "apenas alguns detalhes" sobre seu cargo. O ex-jogador será acompanhado por Carlos Bilardo e Pedro Troglio em uma espécie de peculiar triunvirato para comandar a seleção. Bilardo vai ser o "manager" ou "diretor de seleções" e Troglio, auxiliar. Enquanto a AFA não se pronunciava oficialmente sobre o assunto, Bilardo, conhecido por ser extrovertido e falador, também confirmou a formação do trio que tentará levar a equipe à Copa de 2010. No meio da tarde, de forma lacônica, o presidente da AFA, Julio Grondona, que ocupa o posto há mais de um quarto de século, afirmou que a idéia era criar um "corpo técnico", em alusão ao trio formado por Maradona, Bilardo e Troglio. A notícia não caiu bem entre os analistas esportivos, que consideram que Maradona, embora seja a principal figura do futebol argentino, não é a pessoa adequada para um posto de responsabilidade como o de técnico da seleção. Eles ressaltavam que duvidavam que Maradona vai comparecer todos os dias cedo aos treinos, e que não aparecerá bêbado com relativa freqüência. Desde a virada do século, Maradona protagonizou, entre outras coisas, três overdoses de cocaína, um coma hepático e agressões a pessoas nas ruas e em boates. Na semana passada, pesquisa realizada pelo jornal Clarín, o principal do país, sustentou que 69,5% dos argentinos prefere ver Maradona longe da seleção nacional. Outra pesquisa, do La Nación, indicava o ex-técnico do Boca Juniors Carlos Bianchi como o homem com a personalidade mais adequada para o cargo de técnico. No total, 49,4% dos entrevistados optaram por Bianchi, enquanto somente 5,8% preferiam Maradona. O problema, afirmam comentaristas, é que Bianchi possui péssimo relacionamento com Grondona. Os defensores de Maradona dizem que ele mudou e que é um homem sério hoje. Há poucos dias Maradona afirmou que sua escolha como técnico seria o melhor presente de aniversário, que será amanhã. Maradona tem planos de casar-se com a namorada, Verónica Ojeda. Além disso, está exultante pela gravidez de sua filha mais jovem, Giannina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.