Maradona demonstra irritação com críticas pela primeira vez

Técnico não foi poupado pelos jornalistas, que o cobraram por ter deixado Verón no banco e por ter tirado Tevez de campo

Christian Carvalho Cruz e Wilson Baldini JR., O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2010 | 00h00

Maradona recebeu suas primeiras críticas na Copa. Apesar da vitória sobre o México e a classificação para as quartas de final, "El Diez" não foi poupado pela imprensa argentina, que não concordou com a ausência de Verón na escalação e a substituição de Tevez no segundo tempo.

Contrariado após ser informado das opiniões contrárias, Maradona se apresentou, pela primeira vez, bastante irritado na entrevista coletiva após o jogo. "O que posso falar da Alemanha? Jogamos agora com o México. Amanhã (hoje) vou pensar na Alemanha. Achei sua pergunta tonta", afirmou a um jornalista inglês.

Maradona seguiu irônico ao ser perguntado se o gol em impedimento de Tevez teria mudado o jogo. "Acho que o destaque foi a arbitragem. Ela deveria ter dado cartões aos mexicanos pelas faltas violentas em Messi. Eles não olhavam a bola. Vamos jogar futebol. Acho isso mais importante que um impedimento."

O treinador argentino também não falou abertamente sobre o fato de Tevez não ter gostado de ter sido substituído. "Não tenho titulares nem reservas. Quando olho no banco preciso ter opções de mudar o estilo de jogo da equipe. Não gostei quando o México estava ficando mais com a posse de bola no início do 2.º tempo", afirmou Maradona, que considerou a vitória justa pelo que a Argentina apresentou nos 90 minutos. E disse não ter se surpreendido com a formação mexicana com três atacantes. "Conhecemos os 23 jogadores do México e suas variantes."

Mais calmo, ao final da entrevista, brincou com o representante da Fifa, que anunciou o fim das perguntas. "Não. Estou bem. Vamos a mais perguntas." Aí, aceitou falar do confronto com a Alemanha, sábado, na Cidade do Cabo. "A Alemanha é um time diferente do México. Por isso, terei de procurar armar o time de outra forma", disse. Ao responder a um jornalista italiano, aproveitou para oferecer a vitória ao piloto de Moto GP Valentino Rossi, que sofreu um acidente há duas semanas. Meio sem graça, Maradona pegou a bola que fica na sala de entrevistas, buscando ser um pouco simpático. Saiu com um sorriso amarelo. Não convenceu, assim como seu trabalho ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.