Marcelinho não entende ''punição'' de Giovane

A torcida de Joinville não entendeu nada. Marcelinho também não. Na terça-feira, o técnico Giovane Gávio surpreendeu ao não relacionar o levantador titular da seleção brasileira e o cubano Alain Roca para uma partida de vida ou morte do Tigre/Unisul/Joinville contra o Santander/São Bernardo. Se perdesse, era o fim do sonho de uma vaga nas semifinais da Superliga Masculina. Das tribunas, os dois viram o time sobreviver com uma vitória por 3 a 0."Até agora não estou entendendo. Treinei normalmente no dia anterior. Na preleção, soube que estava fora do jogo", conta Marcelinho. "Fiquei assustado. Nem sabia o que fazer." O levantador diz que não se desentendeu com o treinador ou outros integrantes da equipe. "Eu e o Giovane sempre nos demos super bem. Fui padrinho de casamento dele e foi o Giovane um dos responsáveis de eu voltar da Europa para o Brasil." Marcelinho se diz triste. "Gostaria que ele me dissesse o que aconteceu."No programa Redação SporTV, o técnico justificou dizendo que currículo não garante vaga no time. "Eles têm de estar envolvidos com o negócio, seja na forma como falam ou se comportam dentro da quadra." O supervisor Paulo Jorge Marques endossou. "Tem faltado mais participação nos treinos, comprometimento dele com o projeto do time, com o grupo, mais empenho." Marcelinho nega. "Nunca fui um atleta irresponsável, nunca fui desagregador, polêmico ou inconsequente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.