Marcelus descobre vocação e ganha 1a medalha do Brasil no skiff

O gaúcho Marcelus Silva precisoude apenas três meses de treinamento para conquistar a medalhade bronze no single skiff do remo, nesta terça-feira, aprimeira do Brasil neste barco na história dos JogosPan-Americanos. A versatilidade atlética de Marcelus foi determinante parasua adaptação ao novo barco. Ele já conquistou medalhas emcompetições de basquete, natação, futebol e triatlo, e aos 34anos descobriu a vocação de sculler (remador do skiff). Marcelus foi medalha de prata no double skiff noPan-Americano de Mar del Plata (1995) e Santo Domingo (2003) evinha remando nos barcos dois sem e quatro sem. Depois queperdeu a seletiva para o Pan no dois sem, no fim de abril,acabou indo para o single skiff. "Me botaram lá de última hora, treinei forte e me saí bem",disse Marcellus, que tomou gosto pelo novo barco. "Agora vou mepreparar para o Pré-Olímpico, em novembro, aqui no Rio." Marcellus vibrou com o resultado e passou em frente àtorcida com o braço levantado, sendo muito aplaudido. "É aprimeira medalha do Brasil no skiff e isso é importante nahistória do remo. Fico feliz de fazer parte dessa história",afirmou. Na entrevista coletiva, Marcellus deve ter valorizado aindamais sua conquista ao ouvir o argentino Santiago Fernández,vencedor da prova, contar que tem o apoio do governo de seupaís e de três patrocinadores privados, mesmo afirmando que oremo vive um momento de muita desorganização na Argentina. QUEIXA DA NARRAÇÃO O Brasil também conquistou o bronze no dois sem, guarniçãoque deu ao remo sua última medalha de ouro em Pans, há 20 anos,em Indianápolis, com Ricardo e Ronaldo Carvalho. Anderson Nocetti e Allan Bittencourt deram uma arrancadaimpressionante nos últimos 500 metros e chegaram a estarligeiramente à frente do barco dos Estados Unidos, perdendo amedalha de prata por 27 décimos de segundo. "Nos atrapalhamos com a narração, achamos que já tínhamoscruzado, paramos um pouco e isso nos custou a prata", disseAlan na entrevista coletiva. Segundo os remadores brasileiros, o narrador da provaanunciou duas vezes a chegada do Canadá, o que os confundiu,achando que já teriam cruzado a linha de chegada. "O narrador já tinha cometido erros antes e pedimos para aorganização que não permitisse novos erros para não atrapalharos remadores dentro d''água", prosseguiu Alan, inconformado como resultado. Anderson Nocetti que passou para o dois sem há sete mesescom o objetivo de fortalecer a guarnição para o Pan, disse queagora voltará ao single skiff. "Vou voltar para o Pré-Olímpico. Vai ser nova batalhainterna para ver quem vai a Pequim", afirmou Anderson, que teráMarcellus como um de seus rivais. Antes, porém, os dois remam juntos na final do oito, napróxima quinta-feira. "O adversário será os Estados Unidos. Fizemos um saída comeles e largamos na frente. Mas prova é de dois mil metros é nãodá para prever nada," disse Anderson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.