Marcos, a muralha está de volta

Goleiro confirma recuperação e tem atuação decisiva em vitória alviverde

Daniel Akstein Batista e Martín Fernandez, O Estadao de S.Paulo

21 de abril de 2008 | 00h00

Na sexta-feira, o goleiro Marcos disse que uma conquista de Copa do Mundo é tão importante quanto a de um Estadual. Ele já venceu os dois, mas apenas o Mundial como titular (com a seleção em 2002). Agora, o experiente goleiro vai atrás do troféu do Paulista . Ontem, o número 12 foi um dos melhores do time na vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo e sonha com o título.''Deu tudo certo, acho que fizemos por merecer'', disse o pentacampeão mundial, empolgado com a festa que a torcida fez no Palestra Itália. O goleiro fala com a experiência de quem já passou por poucas e boas, entre títulos e rebaixamento. A última decisão do Palmeiras foi em 2000, na Mercosul - e perdeu para o Vasco. Antes de 2008, a última vez que a equipe disputou uma final do Estadual foi em 1999, na derrota para o Corinthians.Marcos entende a angústia dos torcedores. Ele tem o mesmo sentimento. Agora, fala com orgulho sempre que opina sobre o atual elenco. ''Voltamos a ter a possibilidade de brigar pelo título'' disse várias vezes.Após diversas lesões que o atormentaram nos últimos anos, Marcos recuperou a confiança e o bom desempenho com Vanderlei Luxemburgo. E desde que voltou a jogar, em fevereiro, não se machucou mais.Ontem, o goleiro de 34 anos mostrou segurança nas bolas cruzadas, nos chutes de longa distância. Bola na área era com ele. ''O Marcos não precisa provar nada, mas ele tem a cara do clube, é pentacampeão mundial'', elogiou Luxemburgo.Na última conquista do Estadual, em 1996, o Palmeiras tinha Veloso como dono da posição. Marcos, então com 22 anos, era reserva. Depois, ganhou a camisa 1, com a qual esteve até janeiro deste ano. Diego Cavalieri, então titular, ficou com o número. Hoje, é com a camisa 12 que Marcos tentará acabar com o jejum de títulos. O goleiro, entretanto, pede calma. ''A gente assistiu ao jogo da Ponte Preta e vamos ter outra pedreira pela frente'', declarou.Após o apito final do clássico, Marcos saiu calmamente de seu gol e caminhou até o outro lado do campo, para o vestiário. Ovacionado pela torcida e batendo a mão direito no peito. Como ele mesmo disse, o título está cada vez mais maduro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.