Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Marcos, ótima fase e motivação de garoto

Goleiro de 34 anos é fundamental para o Palmeiras por sua experiência e qualidade técnica

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

13 de julho de 2008 | 00h00

Não é apenas Rogério Ceni que mudou sua rotina de treinamentos para continuar em boa fase. Apesar da série de lesões que sofreu no ano passado, Marcos está em ótima forma. Aos 34 anos, o goleiro palmeirense foi fundamental na conquista estadual e tem sido destaque nos últimos jogos.O Palmeiras tem tradição em formar bons goleiros. Por lá, já passaram Oberdan Cattani, Valdir de Moraes, Leão, Velloso, Sérgio. Diego Cavalieri, o substituto de Marcos, assinou na quinta-feira com o Liverpool. O pentacampeão mundial já teve oportunidades de sair. Nunca quis. O Palmeiras é sua casa. É nela que ele pretende se despedir do futebol.As diversas lesões e fraturas desanimaram Marcos nos últimos anos. No fim de 2006, o retorno de Carlos Pracidelli - que deixou o clube neste mês para trabalhar com Luís Felipe Scolari no Chelsea - foi fundamental para a volta por cima do atleta. Marcos nunca negou a importância do preparador de goleiros na sua carreira. Foi com ele que o jogador iniciou no Palmeiras.Com seu velho tutor, o goleiro começou a realizar um trabalho específico. Diminuiu a carga de treinamento, priorizou a parte física. O resultado é o que se vê hoje: difíceis defesas, aplausos da torcida.Com contrato até dezembro de 2009, Marcos já avisou que só vai seguir jogando depois se seu corpo agüentar. Por enquanto, o goleiro tem pulado nas bolas tal qual um garoto. Não foge das divididas, agüenta qualquer tranco. Contra o Atlético-MG, há duas rodadas, salvou o time da derrota e garantiu o empate por 1 a 1.Hoje, contra o São Paulo, o número 12 imagina mais uma difícil partida. Sabe que vai ter dificuldades. Ele só pede para que nada de anormal aconteça no confronto: sem brigas entre torcedores, sem dirigentes batendo boca, sem jogadores se estranhando.''A batalha tem de ser dentro de campo'', pediu. ''O São Paulo sempre tratou a gente muito bem. Lamentamos o que teve aqui no Palestra'', disse, ao lembrar do gás que foi lançado no vestiário em que o rival se encontrava, durante a semifinal do Campeonato Paulista.RESPEITOAlém de ser ídolo da torcida, Marcos é também reverenciado pelos companheiros. A cada jogo, sobram elogios ao goleiro. Bruno, amigo e agora seu sucessor, fala com orgulho do capitão do time. ''Para mim o Marcos é o principal ídolo do Palmeiras, já que não vi o Ademir da Guia'', contou o reserva. ''No dia em que ele encerrar a carreira, o Palmeiras tem de arrumar um emprego para ele aqui. É o melhor goleiro que já vi jogando.'' D.A.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.