Marcos rachou o Palmeiras?

Diego Souza não gostou da reclamação do goleiro

Juliano Costa, O Estadao de S.Paulo

28 de outubro de 2008 | 00h00

As críticas do goleiro Marcos ao elenco palmeirense, após a derrota por 3 a 0 para o Fluminense, não pegaram bem entre alguns jogadores. Até Diego Souza, que nem participou da partida por estar suspenso, acha que faltou "ética" ao camisa 12. Marcos reclamou da falta de qualidade dos reservas e do vacilo de Martinez no primeiro gol. E tudo isso com o time na reta final do Brasileiro."A gente respeita a opinião do Marcos, sabe da importância dele, mas acho que seria mais ético ter esse tipo de conversa internamente. Roupa suja se lava em casa", disse o meia.Segundo Diego Souza, Marcos não reuniu o grupo para pedir desculpas ou explicar melhor suas declarações. O meia espera que essa conversa aconteça hoje à tarde, antes do treino, ou à noite, na concentração para o jogo de amanhã contra o Goiás, no Palestra Itália, às 20h30. "Temos de conversar sobre o que está acontecendo."Vanderlei Luxemburgo ainda não se posicionou sobre o assunto. Deve falar em coletiva, hoje. O técnico costuma minimizar os desabafos do goleiro, dizendo sempre que "ele é assim mesmo, fala o que pensa, e, se o pegam de cabeça quente, é normal que saia algo mais pesado".Discurso parecido foi adotado por Roque Júnior, que também não jogou contra o Fluminense por estar suspenso, mas conhece Marcos há 13 anos - ambos começaram a carreira no Palmeiras. "Ele já fazia isso quando era mais novo. É da pessoa e nós respeitamos, porque se trata de um jogador experiente e vitorioso", disse o zagueiro. "A gente tem é de tentar levar isso para o lado positivo e ver onde o time está errando", acrescentou.Uma das críticas de Marcos foi sobre a falta de qualidade nas peças de reposição do elenco. O goleiro chegou a dizer que "sempre que precisou do grupo o Palmeiras não se deu bem". E havia quatro desfalques no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.