Marcos volta a ser santo e fecha o gol

Com grande atuação do goleiro, Palmeiras fica no empate com o Cruzeiro por 1 a 1 e fatura seu quarto ponto

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2011 | 00h00

O goleiro Marcos foi fundamental para que o Palmeiras conseguisse um bom resultado ontem, no empate por 1 a 1 com o Cruzeiro, em Sete Lagoas. Pelas chances criadas e desperdiçadas pela equipe anfitriã, o time de Luiz Felipe Scolari deixou o campo comemorando o ponto conquistado.

Após duas rodadas, o Palmeiras, que estreou na competição com uma vitória sobre o Botafogo, soma quatro pontos. Já o Cruzeiro, que perdeu na primeira rodada para o Figueirense por 1 a 0, tem apenas um ponto.

Principal nome do time paulista na partida, o goleiro Marcos mostrava muito respeito ao adversário antes do jogo: "Temos de entrar atentos, porque, na minha opinião, o Cruzeiro é o melhor time do Brasil".

O técnico Cuca optou por uma formação ofensiva, com três atacantes - Brandão, Wallyson e Thiago Ribeiro. No primeiro tempo, o time até teve mais posse de bola, mas ficou preso na forte marcação adversária.

O jogo começou eletrizante e o Cruzeiro quase abriu o placar aos sete minutos, quando Wallyson acertou a trave de Marcos. Aos 28, o meia Montillo rolou para o lateral Gilberto chutar de primeira e obrigar o goleiro palmeirense a fazer grande defesa.

Na melhor chance do Palmeiras, Gabriel Silva avançou pela esquerda e cruzou; Fábio espalmou, mas, no rebote, Tinga mandou a bola na arquibancada.

"Nos primeiros minutos, bobeamos um pouco lá trás, mas depois controlamos o jogo", comentou o volante palmeirense Márcio Araújo no intervalo. "Não estamos tendo espaço para tocar a bola", admitiu o atacante cruzeirense Thiago Ribeiro.

Cuca, que não ficou satisfeito com o seu trio ofensivo, sacou Brandão e promoveu a estreia de Anselmo Ramon. Logo no primeiro lance do segundo tempo, porém, o jovem atacante protagonizou um lance bisonho. Wallyson ficou na frente de Marcos e tocou para Anselmo Ramon que, mesmo sem goleiro, se atrapalhou e deixou a bola sair.

O Cruzeiro pressionava, mas a velha máxima do futebol entrou em cena e quem inaugurou o marcador foi o adversário. Luan recebeu de Marcos Assunção e chutou forte para fazer Palmeiras 1 a 0, aos 14minutos.

O gol abalou o ímpeto do Cruzeiro e animou o time paulista. No banco celeste, Cuca continuava irritado com seus homens de frente e decidiu trocar de novo: colocou Ortigoza no lugar de Thiago Ribeiro. O paraguaio deu novo gás ao ataque do time mineiro, que quase empatou aos 23.

O destino quis, contudo, que Anselmo Ramon se redimisse. Após cobrança de escanteio de Montillo, o zagueiro Gil desviou de cabeça e o atacante estreante empatou, aos 28 minutos.

O Cruzeiro ainda desperdiçou uma grande chance para virar o placar com Gilberto. A partir daí, o Palmeiras fez sua parte e administrou o empate até o final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.