Marcos x Ceni: outro capítulo de um duelo de 12 anos

Goleiros se enfrentaram pela 1ª vez no Paulista de 1999, com empate por 4 a 4; desde então, já ocorreram 22 confrontos

Bruno Deiro e Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2011 | 00h00

O primeiro duelo entre Rogério Ceni e Marcos ocorreu há 12 anos e terminou empatado: 4 a 4, pelo Campeonato Paulista de 1999. Desde então, os dois maiores ídolos recentes de São Paulo e Palmeiras travam uma disputa repleta de grandes exibições e títulos. Hoje, no Morumbi, eles escrevem mais um capítulo desta rivalidade, já em tom de despedida.

Na história, foram 22 clássicos disputados entre os dois, com larga vantagem de Rogério Ceni: venceu 10, contra 5 de Marcos.

Nesta temporada, é a primeira vez que se encontram. Na tabela, está previsto o confronto pelo segundo turno do Brasileiro e há ainda a possibilidade de as equipes se cruzarem na Copa Sul-Americana, caso avancem.

Se dependesse apenas de Rogério, os dois ainda se enfrentariam mais um punhado de clássicos. O goleiro, que tem contrato até o fim de 2012, não mostra a menor intenção de parar e cogita até estender o acordo. Aos 38 anos, prova em campo a boa condição física: neste ano, esteve em todos os 46 jogos do time.

Ceni foi ainda o responsável pelo momento de maior euforia da torcida na temporada, ao marcar seu centésimo gol pelo São Paulo em clássico inesquecível com o Corinthians - o fato de não ter sido reconhecido pela Fifa pouco importou.

Hoje, o goleiro completará 995 jogos pelo clube, na contagem regressiva para chegar a outro feito histórico: atingir a milésima partida com a camisa do Tricolor. Mesmo com algumas falhas, salvou o time em incontáveis partidas - a última foi no empate com o América-MG.

Perto do adeus. Para Marcos, no entanto, o clássico de hoje pode ser a última vez em que encontra o rival são-paulino em campo. Em 2011, o goleiro alviverde manteve os sinais de esgotamento mostrado nas últimas temporadas e participou de menos da metade dos jogos da equipe. Em 46 partidas do Palmeiras, o "São Marcos" esteve em 20, num índice de participação de apenas 43,4%.

Neste Brasileiro, Marcos tem conseguido atuar com mais frequência e disputou 13 das 17 partidas que o time fez. No empate por 1 a 1 com o Bahia, quinta-feira, assumiu a culpa pelo gol sofrido. Na cabeçada de Titi, que estava impedido, falhou ao tentar afastar a bola. Mesmo assim, a moral de Marcos com a torcida continua inabalável e ele é um dos poucos poupados das vaias nos tropeços recentes do time de Felipão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.