Fredrik Sandberg/AP
Fredrik Sandberg/AP

Marido da atleta Agnes Tirop deixou bilhete no local da morte confessando o crime

'Agora, temos evidências esmagadoras para confirmar o assassinato', garantiram as autoridades

Redação, Estadão Conteúdo

21 de outubro de 2021 | 19h34

Principal suspeito da morte da mulher, a fundista Agnes Tirop, o marido Ibrahim Rotich deixou um bilhete na casa do casal, onde foi encontrado o corpo, confessando ter sido o responsável pelo crime. A revelação foi feita pela polícia queniana nesta quinta-feira.

"Agora, temos evidências esmagadoras para confirmar o assassinato. O laudo da autópsia e a nota de confissão do suspeito, bem como a descoberta das armas que mataram a atleta, uma faca e uma clava de madeira, são fortes evidências", disse Andolo Munga, das forças policiais do condado de Keiyo North.

O corpo de Agnes Tirop foi encontrado no dia 13 de outubro, em sua casa. Principal suspeito, Rotich foi preso no dia seguinte, em Mombaça, quando tentava fugir. A irmã da recordista mundial dos 10 mil metros, Evelyin Jepng'etich, havia afirmado que Tirop vinha sofrendo muitos maus tratos do marido e por isso optou por se refugiar no centro de treinamentos de atletas do Quênia.

O bilhete deixado por Rotich dizia que a relação do casal decorria "cheia de lutas" e, por isso, a "decisão de acabar com a vida" da atleta, de 25 anos. A família desconfia, porém, que a motivação tenha sido financeira.

"Ficamos sabendo com total choque que a maior parte dos bens de nossa filha mudou de mãos misteriosamente. O que é chocante é que os bens mudaram de mãos há três meses e alguns foram eliminados por seu marido, que também é o principal suspeito do assassinato. Agora estamos convencidos de que ela foi morta por causa de sua riqueza", disse o representante da família, Jeremiah Sawe, ao jornal queniano Daily Nation.

"Há um total de 12 lotes, que desde então mudaram de propriedade. O suspeito tornou suas propriedades e acreditamos que a vítima não sabia ou estava sob coação. Além disso, não há documentos para vários veículos comprados pela atleta e, chocantemente, outro carro está registrado em nome de um dos amigos do suspeito, também sob custódia policial", completou Jeremiah.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.