Eddie Keogh/Reuters
Eddie Keogh/Reuters

Marílson dos Santos bate recorde pessoal e fica em 4.º em Londres

Corredor fez percurso em 2h06min34 , baixando em mais de dois minutos sua ex-melhor marca

AE, Agência Estado

17 de abril de 2011 | 11h39

LONDRES - O brasileiro Marílson Gomes dos Santos alcançou seu principal objetivo na Maratona de Londres neste domingo. O fundista obteve seu melhor tempo na distância ao marcar 2h06min34, baixando em mais de dois minutos o seu recorde pessoal de 2h08min37. De quebra, Marílson chegou em quarto lugar em uma das principais corridas do mundo.

"Eu estou muito feliz. Queria muito essa marca porque eu sabia que as 2h08min não eram para mim. Eu sabia que tinha condições. E nessa maratona, que é mais rápida que a de Nova York, eu consegui", vibrou Marílson, cujo melhor marca anterior também fora registrada em Londres, em 2007.

"Foi uma marca excelente, condizente com as condições do fundista que é o Marílson. Nós sabíamos que as 2h08 não eram uma marca condizente com a capacidade dele. Ele fez uma prova excelente e estamos muito contentes com o resultado. A marca é ótima", celebrou o técnico Adauto Domingues.

Marílson só foi superado por um trio de quenianos. Emmanuel Mutai estabeleceu o recorde da prova ao marcar 2h04min40, superando o tempo de 2h05min10, que pertencia a Samuel Wanjiru. Mutai obteve o quinto melhor tempo na história das maratonas. O pódio contou também com Martin Lel e Patrick Makau, que registraram as mesmas 2h05min45.

Ao final da prova, Marílson explicou que conseguiu acompanhar os quenianos durante a prova, mas decidiu dosar o ritmo no trecho final para garantir o recorde pessoal. "Decidi manter o meu ritmo, porque comecei a pensar no tempo. Achei que eu não deveria seguir o pelotão para não correr o risco de ''quebrar'' nos quilômetros finais. Senti cansaço nos dois quilômetros finais e aí percebi que tinha feito a coisa certa. Se eu tivesse insistido, talvez minha marca não tivesse saído", justificou.

Com o objetivo alcançado, Marílson ainda não definiu o seu calendário para o restante da temporada. Ele cogitava disputar a Maratona de Berlim, caso não alcançasse o recorde neste domingo. "Tudo dependia do resultado que eu faria aqui. Agora vamos conversar", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.