Marílson volta à pista pelo título nos 10 mil m

Recordista sul-americano da prova, fundista tenta 1.ª vitória em Pans

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2027 | 00h00

Qualquer resultado que não seja a vitória de Marílson Gomes dos Santos, hoje, na prova dos 10 mil metros (às 16h50, no Estádio João Havelange), será motivo de estranheza para o técnico do fundista, Adauto Domingues. ''''Resultado que não seja o ouro vai me deixar com o sorriso amarelo'''', brinca o treinador, apostando na primeira vitória do corredor brasiliense em Jogos Pan-Americanos.Atual recordista sul-americano da distância e o melhor atleta do continente no ranking mundial, com o tempo de 27min28s12, de junho, em Neerpelt - está atrás apenas de quenianos e etíopes -, Marílson não se coloca como pleno favorito à vitória na prova. ''''Eu vim para tentar ganhar, mas isso vai depender do dia, de como estarão os adversários. O que posso garantir é que estou bem.''''Campeão da Maratona de Nova York - defenderá o título em novembro -, Marílson conquistou o bronze na prova dos 5 mil metros, na segunda-feira. Resultado que, considera, estava dentro do esperado. ''''A expectativa não era de ouro'''', confirma Adauto Domingues. ''''O Marílson tem uma capacidade boa para manter o ritmo, mas não é veloz. Nos 10 mil metros, ele tem mais momentos para abrir (sair à frente dos adversários).'''' Seus principais rivais são os norte-americanos e os mexicanos - países de onde são também as grandes adversárias de Juliana, mulher de Marílson, que hoje compete nos 1.500 metros, pouco depois do marido (às 18h20).Juliana, que não conseguiu chegar à final dos 800 metros, espera obter um melhor desempenho esta noite. ''''Agora, é acreditar naquilo que treinei. A prova deve ser muito tática e quero fazer como o Hudson (de Souza, bicampeão da distância): colar nas adversárias e não deixá-las escapar.''''Lucélia Peres também volta à pista do Engenhão, desta vez para a final dos 5 mil metros, às 18h20. A meta é brigar por nova medalha, após o bronze nos 10 mil metros. ''''Entro do mesmo jeito nos 5 mil, atrás de um pódio'''', garante. Com Lucélia estará Ednalva Laureano, a Pretinha, sétima colocada nos 10 mil metros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.