Marin decide trocar comando na arbitragem

Coronel Aristeu Tavares assume a presidência da Comissão no lugar de Sérgio Correa, que agora é chefe de departamento

TIAGO ROGERO / RIO, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2012 | 03h03

José Maria Marin cedeu à pressão dos clubes. Depois das constantes reclamações contra os árbitros do Campeonato Brasileiro, o presidente da CBF tirou ontem Sérgio Corrêa da Silva da presidência da Comissão de Arbitragem, posto que ocupava desde 2007. Mas não demitiu o ex-árbitro e criou para ele um novo cargo: chefe do departamento de arbitragem. Corrêa perdeu o poder, mas não o salário.

O novo presidente da Comissão é o coronel da PM fluminense Aristeu Leonardo Tavares, ex-árbitro assistente, nomeado Ouvidor de Arbitragem em abril, menos de um mês depois de Marin assumir a presidência de CBF. À época, Marin esperava "ganhar pontos" com os clubes, dar mais credibilidade à arbitragem. Mas os recentes erros colocaram por terra sua pretensão.

Segundo a CBF, quem responde pela arbitragem a partir de agora é Tavares. Corrêa ficará responsável pela "parte administrativa". Na portaria que rebaixou o ex-presidente da Comissão, Marin informou que o novo departamento tem a função de assessorar, implementar decisões e realizar todas as tarefas administrativas que forem adotadas pela Comissão. Corrêa, portanto, está agora subordinado a Aristeu.

A crise na arbitragem ganhou força após o clássico entre Santos e Corinthians, no domingo, quando o assistente Emerson Augusto de Carvalho (SP) deixou de marcar três impedimentos seguidos no lance do segundo gol santista. Ele foi afastado, mas Marin queria mais. Anteontem, ameaçou mudanças no comando da arbitragem. Ontem, cumpriu.

Exonerou os demais integrantes da Comissão: o vice-presidente, Manoel Serapião Filho, o secretário Luiz Cunha Martins e Paulo Jorge Alves, nomeado para substituir Aristeu na Ouvidoria. O novo vice-presidente da Comissão é Antônio Pereira da Silva; o secretário, Dionísio Roberto Domingos. Ambos ex-árbitros. "Procurar melhorar o nível da arbitragem é um compromisso de honra assumido no primeiro dia da minha administração. Essas mudanças têm o objetivo de continuar nessa busca, que tenho certeza vamos conseguir", disse Marin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.