Marin garante Mano, por enquanto

Presidente da CBF não vê motivos para mexer no comando da seleção, no momento, mas não se compromete até a Copa

GLAUBER GONÇALVES / RIO, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2012 | 03h07

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, disse ontem que pretende manter o técnico Mano Menezes à frente da seleção brasileira. O dirigente, porém, evitou se comprometer com a manutenção do treinador no posto até a Copa do Mundo de 2014. "Não há nenhuma razão para cogitar uma mudança no momento. Estamos no caminho certo", declarou Marin durante entrevista coletiva em que anunciou a Mastercard como patrocinadora da seleção.

Depois de o Brasil deixar escapar a medalha de ouro na Olimpíada de Londres, Mano Menezes ficou em situação desconfortável. Apesar da derrota para o México, Marin disse que tanto o treinador quanto sua comissão técnica e o diretor de seleções, Andrés Sanchez, continuam "desfrutando de total confiança".

Ele argumentou que podem existir partidas em que, mesmo com derrota, a seleção tenha uma atuação convincente, citando como exemplo o amistoso com a Argentina, nos Estados Unidos, em junho.

Ao definir uma campanha bem-sucedida na Copa de 2014 como o grande o grande objetivo da CBF, Marin disse que a seleção já tem uma base para encarar a competição e que a escalação de outros jogadores no futuro deverão reforçá-la. "Queira Deus que até a Copa do Mundo surja outro grande craque como estes que já integram a seleção", disse.

Durante o evento, o presidente da CBF voltou a tecer críticas aos erros da arbitragem e disse que pretende tomar medidas adicionais ao afastamento de Emerson Augusto de Carvalho, auxiliar que deixou de marcar três impedimentos no lance que originou o segundo gol do Santos, que acabou derrotando o Corinthians por 3 a 2 , na Vila Belmiro.

"Não estou satisfeito só com essa medida. Temos de dar exemplo. Não toleramos que a arbitragem não corresponda aos anseios dos dirigentes e dos torcedores (...) Peço a vocês que aguardem, pois talvez eu tome outras providências no setor de arbitragem", afirmou.

Ao anunciar o novo patrocinador da seleção, Marin não revelou o valor do contrato, válido até 2020. De acordo com executivos da Mastercard, a empresa terá exclusividade em meios de pagamento em eventos ligados à seleção e fará a pré-venda de ingressos para partidas.

Perguntado sobre uma condenação judicial à empresa no ano passado por usar indevidamente a marca da CBF em uma campanha publicitária, Marin classificou o caso como "coisa do passado", pontuando que o fato ocorreu antes do início de sua gestão. "Os dois departamentos jurídicos devem ter se entendido. Qualquer divergência deve estar superada", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.