Marion Jones confessa uso de esteróides antes de Sydney 2000

Considerada a melhor atleta do mundo, Jones agora encara processos por ter mentido durante investigação

04 de outubro de 2007 | 18h39

Sem opções, a velocista Marion Jones admitiu, através de uma carta enviada à familiares, e copiada pelo jornal Washington Post, nesta quinta-feira, que utilizou esteróides durante sua preparação para os Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000.   De acordo com carta, Jones pretende declarar-se culpada em duas acusações de que teria mentido para agentes federais sobre o uso de substâncias proibidas, nesta sexta-feira, em Nova York. A atleta está sendo pressionada a confessar, uma vez que o Comitê Olímpico Internacional (COI) abriu uma investigação em dezembro de 2004 para apurar os boatos de um possível doping da então considerada a melhor atleta feminina do mundo.   Se sua intenção de confessar for confirmada, Jones poderá perder três das cinco medalhas de ouro conquistadas em Sydney, assim como dois bronzes. Além disso, a atleta pode receber uma pena de seis a cinco anos.   Ainda em sua carta, Marion Jones coloca a culpa em seu antigo treinador, Trevor Graham, que teria oferecido o esteróide THG, dizendo que não passava de um suplemento nutricional, com a dosagem de duas gotas. Ao ser indagado sobre o assunto, Graham preferiu não comentar.   Para piorar a situação, Jones está sendo investigada sobre um possível esquema de fraude bancária que seu ex-marido, o também velocista Tim Montgomery, estaria envolvido. A atleta teria recebido um cheque no valor de U$ 25 mil (aproximadamente R$ 45 mil), que faria parte do esquema de lavagem de dinheiro.   Ao final de sua carta, Jones se diz muito decepcionada por tudo o que aconteceu, aproveitando para pedir desculpas às pessoas que se importam com ela.

Tudo o que sabemos sobre:
Atletismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.