Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Marta não acredita em novo título de melhor jogadora do mundo

Brasileira elogia as rivais Homare Sawa, do Japão, e Abby Wambach, dos EUA

Alesssandro Lucchetti, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2011 | 03h03

SÃO PAULO - A principal atração na Praça Charles Miller, em frente ao Estádio do Pacaembu, nesta terça-feira, não foram os famosos pasteis da feira que lá se instala todas as terças-feiras. A craque Marta e suas colegas da seleção brasileira estiveram no lançamento da terceira edição do Torneio Internacional Cidade de São Paulo, que começa nesta quarta e reunirá também Dinamarca, Itália e Chile.

É uma rara oportunidade para apreciar de perto o talento de Marta, escolhida a melhor do mundo pela Fifa por cinco vezes seguidas. Este ano, no entanto, ela não está tão certa de mais uma consagração. O Brasil foi eliminado já nas quartas de final do Mundial da Alemanha, em julho. Suas duas adversárias das equipes finalistas da Copa: a meia Homare Sawa, do campeão Japão, e a atacante Abby Wambach, dos Estados Unidos.

"Não sei quais os critérios que eles usam. Teve anos em que nem joguei na seleção e ganhei. Mas 2011 foi ano de Copa do Mundo, e as duas (Sawa e Wambach) fizeram um grande Mundial. Este ano tem possibilidade de não acontecer de eu ganhar. Mas ser indicada pela oitava vez e participar da festa, que é maravilhosa, já me deixa feliz."

A craque espera que o Brasil faça um papel melhor nos Jogos Olímpicos de Londres, em julho e agosto do ano que vem.

A preparação não será a ideal. Jorge Barcellos, o técnico que comandou a seleção de 2006 a 2008, está de volta. Ele vai substituir Kleiton Lima e terá pouco mais de seis meses para aprontar a equipe.

Barcellos diz que não foi demitido em 2008, e que saiu por vontade própria. Ele comandou o Saint Louis Athletica na liga profissional norte-americana, a WPS. Em sua primeira temporada, conseguiu o terceiro lugar. Na segunda, o time, com dificuldades financeiras, foi dissolvido. "Foi bom para eu acumular experiência e aprender inglês".

Em sua primeira convocação, Barcellos fez uma mistura entre jogadoras mais tarimbadas e outras inexperientes. O objetivo em Londres é finalmente vencer uma grande competição. O Brasil conquistou a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008 e também na Copa de 2007.

O Brasil estreia no quadrangular nesta quarta, às 21h15, contra a Itália. Antes, às 18h45, jogam Dinamarca e Chile.

As entradas custam R$ 10 (arquibancada) e R$ 20 (numerada). Os ingressos estão sendo vendidos nas bilheterias do Estádio do Pacaembu e pelo site www.ingressofacil.com.br.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMarta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.