Marta recusa milhões dos russos para jogar na Suécia

Atacante brasileira decide voltar ao país que a projetou para o mundo e assina por dois anos com o Tyreso

ESTOCOLMO, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2012 | 03h03

Após o encerramento das atividades da Liga Americana e do time feminino do Santos, Marta estava sem ter onde jogar futebol. Mas a atacante, eleita a melhor do mundo por cinco vezes, já definiu o seu futuro. Optou por voltar à sua "segunda casa" e, ontem, assinou contrato com o Tyreso, time sueco da cidade de mesmo nome, que fica próxima de Estocolmo.

"Minha carreira começou na Suécia e agora quero escrever aqui um novo capítulo", disse a brasileira de 26 anos. "Estou muito feliz de voltar. Essa é a minha segunda casa", afirmou Marta, em sueco fluente.

Marta se tornou uma jogadora profissional, de fato, quando se transferiu para o Umea - antes, havia jogado pelo CSA, Vasco e Santa Cruz. Na equipe sueca, que defendeu entre 2004 e 2009, conquistou o título nacional quatro vezes e foi campeã europeia.

Durante a apresentação, Marta recebeu a camisa 100 e se emocionou. Chorou ao dizer que a ida para o Tyreso não foi pautada pelo dinheiro. A brasileira recebeu uma proposta milionária do futebol russo, mas por causa do baixo nível da liga não aceitou.

Marta assinou um contrato de dois anos e deve estrear em 9 de abril, quando começa o Campeonato Sueco. Antes, participará de três amistosos com a seleção, preparatórios para a Olimpíada de Londres. O Brasil enfrentará o Canadá (24 de março, em Boston), EUA (3 de abril, em Chiba) e o Japão (5 de abril, em Kobe).

O time. O Tyreso foi fundado em 1971, exclusivamente para o futebol feminino. Mas, ao contrário do Umea, não possui títulos de relevância. A equipe disputou a Primeira Divisão entre 1993 e 1996, mas acabou caindo. Em um cenário impensável no Brasil, a Suécia possui até uma Quarta Divisão nacional, onde o Tyreso jogou em 2006. Desde então, só galgou postos. Em 2010, retornou à elite para conquistar, em 2011, sua melhor campanha: ficou em 4.º no torneio nacional e foi vice-campeã da Copa da Suécia.

Além de Marta, o Tyreso contratou três jogadoras da seleção da Suécia e uma da Espanha. A brasileira Elaine já fazia parte do elenco. O principal desafio é conseguir, pela primeira vez, vaga em competições europeias. "Já tínhamos uma equipe boa. Com a Marta, vamos melhorar ainda mais", disse o técnico Stefan Fredriksson. "Será muito difícil nos bater este ano."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.