Massa quer vencer o GP do Brasil e ajudar Kimi Raikkonen

Essa é a única combinação que ajuda o finlandês a ser campeão - desde que as McLarens não pontuem

EFE

16 de outubro de 2007 | 16h11

O piloto brasileiro Felipe Massa afirmou nesta terça-feira, após a confirmação da ampliação de seu contrato com a Ferrari até 2010, que espera vencer o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 sem fazer com que seu companheiro de equipe, o finlandês Kimi Raikkonen, perca o título do mundial de pilotos. Veja também: Felipe Massa renova contrato com a Ferrari até 2010 Classificação do Mundial de F-1 Fórmula 1: a matemática do título de 2007  Quem será o campeão da Fórmula 1? Leia mais no Blog do Lívio Dê uma volta pelo Circuito de InterlagosA única forma disto acontecer é que Raikkonen chegue na segunda posição, atrás de Massa, e que os dois pilotos da McLaren, o inglês Lewis Hamilton e o espanhol Fernando Alonso abandonem a prova. "Com as duas McLaren fora da competição eu posso vencer a corrida e Raikkonen chegar em segundo e se coroar campeão", declarou Massa. "Seria a combinação perfeita. Conseguiríamos a vitória e o campeonato. Seria sensacional para a equipe. Vamos fazer o máximo para que isto possa acontecer", disse o brasileiro. Sem o abandono dos carros da McLaren, Raikkonen só conseguiria alcançar o título caso vencesse o GP do Brasil e Hamilton não ficasse entre os seis primeiros e Alonso ficasse da quarta posição para baixo. Massa admite que, apesar de seu desejo de vitória, abriria mão da primeira posição no GP do Brasil caso pudesse fazer algo para ajudar seu companheiro de equipe. "Será um prazer fazer isto, embora o mundial esteja tão complicado", declarou Massa em entrevista coletiva concedida nesta terça em São Paulo após a Ferrari confirmar a renovação de seu contrato até 2010. Na entrevista, Massa destacou a confiança da equipe italiana em seu trabalho. Ele acrescentou que espera que não se repitam os erros que o atrapalharam em 2007. "Sabia o que estava fazendo e o que a equipe pensava do meu trabalho. Tenho a confiança da equipe", afirmou o brasileiro após comentar alguns rumores de que a Ferrari o substituiria por seu baixo desempenho. "Espero continuar trabalhando como fiz neste ano, com um carro competitivo para que os dois pilotos possam competir pelo título. Infelizmente, para mim não foi possível chegar na reta final em condições de vencer", encerrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.