Mau tempo: até a pira apagou?

Softbol é novamente adiado, tênis tem menos partidas, e vela espera

Michel Castellar, Ubiratan Brasil e Vinícius Saponara, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2025 | 00h00

Depois do vento que destruiu instalações do softbol no fim de semana - mas tem feito falta nas competições de vela -, a impiedosa garoa que começou a cair na noite de segunda-feira prejudicou mais um dia de competições do Pan. A chuva adiou pela segunda vez o início do torneio de softbol e, no tênis, apenas quatro partidas foram jogadas ontem, das 24 programadas.O mau tempo teria também apagado a chama da pira pan-americana, instalada no estádio do Maracanã, pelo menos duas vezes: na manhã de ontem, durante 30 minutos, e novamente no início da tarde.O Comitê Organizador dos Jogos (Co-Rio) informou que a chama teria sido apenas ''''reduzida a seu nível mínimo para testes visando à cerimônia de encerramento'''', no domingo. As imagens apresentadas pela Rede Globo, no entanto, fazem acreditar que a pira ficou realmente apagada.Segundo os organizadores, a pira tem três níveis de chama - ontem, teria ficado no de manutenção, o mais fraco. Se confirmado, o incidente quebra a tradição do esporte olímpico, cujo espírito é simbolizado pela chama que nunca se apaga.NA LAMAAté mudança de formato o torneio de softbol do Pan sofrerá para driblar o mau tempo, que impediu por duas vezes o início da competição - montado em terreno baixo, o campo recebe a água da área que o cerca e fica constantemente encharcado.Inicialmente, as oito seleções jogavam entre si; agora, foram formados dois grupos - os dois primeiros de cada um disputam a semifinal. O Brasil enfrenta hoje os Estados Unidos, às 10 horas, e Cuba, às 14 horas. Amanhã, ao meio-dia, joga contra a Colômbia. No outro grupo estão Argentina, Canadá, Venezuela e Porto Rico. Se o calendário não sofrer mais alterações, as semifinais serão disputadas na sexta-feira.APERTOO calendário dos tenistas hoje será apertado. A maioria dos atletas deve fazer jornada dupla nas cinco quadras do clube Marapendi, na Barra da Tijuca, a partir das 10 horas. Se for preciso, haverá partidas à noite para colocar tudo em ordem.O brasileiro Thiago Alves, número 2 do País, estréia contra o guatemalteco Cristian Paiz Asturias e, se ganhar, terá pela frente mais uma dura partida, já pelas oitavas-de-final. Os brasileiros Marcos Daniel e Flávio Saretta entraram em quadra após mais de seis horas de atraso, e saíram vitoriosos.SEM VENTOO vento tem feito falta às competições de vela. Ontem, houve espera de duas horas e meia pelo início das disputas na Baía de Guanabara. No domingo, duas regatas foram canceladas pela ausência de vento.Tripulante do J-24, barco brasileiro atual vice-líder, Maurício Santa Cruz disse que a falta de vento na Baía de Guanabara era prevista, pois julho é ''''época'''' de calmaria. Robert Scheidt disse que ''''velejador está acostumado. Todo lugar falta vento, em Olimpíada, Mundial''''. O Brasil lidera somente com a dupla do hobie cat 16, Bernardo Arndt e Bruno Oliveira. As mulheres estão em terceiro na prancha a vela com Patrícia Castro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.