Maurren diz que não pensa em parar e rebate críticas

De volta ao Brasil após a medalha de ouro conquistada em Pequim, Maurren Maggi afirmou que ainda não pensa em aposentadoria. A atleta, que tornou-se a primeira brasileira campeã olímpica em uma competição individual, chegou nesta terça-feira a São Paulo."Por eu ter voltado a saltar sete metros com 32 anos de idade, não dá para parar por aqui. Acho que tem muita coisa ainda", disse Maurren, durante entrevista coletiva na capital paulista. A atleta levou o ouro no salto em distância e soube que será homenageada com uma estátua de 7,04 metros em São Carlos. O tamanho é uma referência à marca que garantiu a conquista.Sorridente e emocionada pelo reencontro com a família, Maurren só mudou a expressão ao falar sobre as críticas da inglesa Jade Johnson, sétima colocada na final em Pequim. A adversária disse que a brasileira não deveria ter voltado a competir depois da suspensão por doping."Ela não sabe o que aconteceu na minha vida. Não conhece a minha história. Comentários assim não vão apagar o meu brilho", disse a campeã olímpica, que cumpriu dois anos de suspensão depois de ter sido flagrada pelo uso de clostebol. Maurren afirma, desde sempre, que a substância estava em um creme pós-depilação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.