Maurren Maggi vai ser mãe

Maurren Higa Maggi, de 27 anos, está grávida. Nesta quinta-feira, a saltadora em distância, afastada do atletismo desde junho de 2003, confirmou a amigos, em São Paulo, o resultado positivo do exame de gravidez. Em fevereiro, quando se reuniu com os integrantes do seu então clube, a BM&F Atletismo, para decidir a renovação do contrato, Maurren já havia anunciado a decisão de afastar-se do atletismo, dedicar-se à família e ir para Mônaco para ficar mais perto do namorado, Antonio Pizzonia, piloto de testes da equipe Williams de Fórmula 1.Pizzonia tem evitado comentar o assunto. "A gravidez faz parte de um processo, não é surpresa", afirmou o diretor de sua ex-equipe, em São Paulo, Sérgio Coutinho Nogueira - no encontro de fevereiro na BM&F, Maurren deixara claro que estava trocando de estilo de vida. "Disse que queria ficar mais perto do namorado, que gostaria de ter filhos. E que quando tivesse um, se espelharia na educação que o casal de técnicos Tânia e Nélio Moura dão à filha, Larissa. Queria desejar à Maurren, que já foi a melhor do mundo na sua prova, que seja a melhor mãe do mundo. Ela merece ser feliz", afirmou o dirigente.No dia 3 de fevereiro, a Agência Estado informou, com exclusividade, a decisão de Maurren de ficar com Pizzonia, apesar de a atleta e o piloto terem uma relação que os amigos definem como difícil.A carreira de Maurren começou a ruir após o Troféu Brasil de Atletismo, em junho, quando teve antidoping positivo para a substância Clostebol, um esteróide anabolizante, segundo a atleta, em conseqüência do uso de um creme cicatrizante após sessão de depilação a laser.Maurren foi suspensa no dia 1º de agosto, quando era a dona da melhor marca do mundo no salto em distância em 2003 (7,06 m). Havia sido bronze no Mundial Indoor, em março, e era considerada favorita ao pódio no Pan-Americano de São Domingos e no Mundial de Paris. O resultado do antidoping a afastou das competições.Em janeiro, foi inocentada da acusação de doping pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) da Confederação Brasileira de Atletismo. Mesmo assim, decidiu morar com Pizzonia em Mônaco, indicando que não pretendia se preparar para a Olimpíada. Mesmo que quisesse, Maurren não poderia mesmo competir em Atenas - a Associação Internacional de Federações de Atletismo não aceitou a decisão do STJD e manteve a suspensão de dois anos por doping, que só termina em agosto de 2005.Antes de seguir para Mônaco, Maurren disse que voltaria a treinar, seguindo orientações que receberia, por e-mail, do técnico Nélio Moura. Isso nunca ocorreu. Nélio disse, na semana passada, num dos treinos de Jadel Gregório, no Ibirapuera, que Maurren nem havia aberto a internet para pegar o último treino que tinha enviado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.