Maurren sente dores e abandona final do salto

Última esperança de medalha para o Brasil no Mundial de Berlim, a campeã olímpica Maurren Maggi sentiu dores no joelho neste domingo e abandonou a final do salto em distância. A marca de 6,68 metros, na primeira tentativa, deixou a brasileira fora da disputa pelo pódio.

AE, Agencia Estado

23 de agosto de 2009 | 13h48

Maurren chegou a fazer mais uma tentativa, com 6,64 metros, mas desistiu de seguir na decisão da prova ao sentir dores no joelho direito. Frustrada com a lesão, que enfrenta desde o ano passado, a brasileira não resistiu às lágrimas ao abandonar a disputa.

"Fui para cima nos dois primeiros saltos. Achei que não seria difícil conquistar uma medalha. Mas fiz a minha parte. Fui guerreira, entrei na prova pra rasgar, mas não deu. O joelho doeu", explicou a saltadora em entrevista à Sportv.

A atleta também disse que esperava saltar 6,90m, o que garantiria a medalha de bronze. "Estava pronta para saltar no mínimo 6,90m. O terceiro salto teria dado medalha na certa. Mas não estou desapontada. Fiz tudo o que podia fazer. Estava no meu limite", desabafou, entre lágrimas.

Maurren ainda revelou que participou do Mundial no sacrifício, em decorrência da lesão. "Se fosse uma competição normal, eu não viria. Deixei de participar de muitas competições porque sabia que tinha que me guardar para essa. Mas escapou o salto e uma medalha".

Depois de abandonar a final da prova, a brasileira vai interromper os treinamentos para cuidar da lesão. "Agora vou parar para tratar o meu joelho. Acho que vou ter que fazer cirurgia", avaliou.

A prova deste domingo foi vencida pela americana Brittney Reese, que saltou 7,10m. A prata ficou com a russa Tatyana Lebedeva, com 6,97m, enquanto a turca levou o bronze, ao marcar 6,80m.

A brasileira Keila Costa decepcionou na decisão e foi eliminada ainda na metade da prova. Ela queimou as três tentativas. Com os resultados desta prova, o Brasil ficou sem medalhas no Mundial de Berlim, igualando as participações em Stuttgart/1993, Edmonton/2001 e Helsinque/2005.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.