Instagram/ Maya Gabeira
Instagram/ Maya Gabeira

Maya Gabeira encara onda gigantesca em Nazaré em fim de semana com acidentes

Surfista brasileira detém o recorde mundial feminino de maior onda surfada; francês Pierre Rollet é levado para hospital com suspeita de contusão no tórax

Redação, Estadão Conteúdo

10 de janeiro de 2022 | 12h44

A surfista brasileira Maya Gabeira divulgou um vídeo surfando mais uma onda gigantesca nas praias de Nazaré, em Portugal. As imagens foram divulgadas na noite de domingo, mostrando um fim de semana bastante agitado e com acidentes no tradicional circuito do surfe mundial.

Em fevereiro de 2020, Maya bateu o recorde mundial feminino de maior onda surfada, com uma altura de 22,4 metros. O feito ocorreu justamente em Nazaré e foi oficializado pelo livro de recordes mundiais, o Guiness Book. A onda surfada no fim de semana ainda não foi dimensionada pelos especialistas.

No sábado, o francês Pierre Rollet, que faz parte da equipe de Maya Gabeira, precisou ser resgatado após queda em uma grande onda. O surfista teve suspeita de contusão na região do tórax e precisou ser levado para o hospital por precaução. J.C Macias também sofreu um acidente, o mais grave do dia, e precisou ser socorrido e levado para o hospital.

A própria Maya Gabeira chegou a passar por um contratempo no sábado. Logo na parte da manhã, a surfista estava pilotando um jetski para levar Pierre até uma onda. Após a queda do francês, Maya tentou o resgate e ambos foram atingidos por uma série. A brasileira chegou a sofrer um acidente marcante no local, em 2013, ficando inconsciente. Após ser levada para o hospital, foi constatada apenas uma fratura no tornozelo.

Maya é conhecida por surfar ondas gigantes e já havia entrado anteriormente para o Guiness Book, em 2018, em mais um feito nos mares de Nazaré. Na ocasião, Maya surfou uma onda de 20,7 metros, entrando para o livro como a primeira mulher a surfar uma onda ilimitada.

Tudo o que sabemos sobre:
surfeMaya GabeiraNazaré [Portugal]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.